Textículo

A bipolaridade da vontade popular

Comente este artigo

Eu acho graça em alguns paradoxos que eu vejo em nossa sociedade brasileira, que literalmente comprovam que o brasileiro não sabe o que quer. Atentem-se para o seguinte:

Um bandido mata a vítima, durante um assalto. Qual é a reação da opinião popular?

“Bandido bom, é bandido morto!”
“Tem que ter pena de morte neste País!”
“Cadê a polícia, quando mais a gente precisa?”

Bacana. Memorizaram essas frases, amiguinhos?

Então vamos para uma segunda cena:

Policial de folga vê uma senhora sendo assaltada. Ele saca da arma que carrega consigo (por LEI, ele não deixa de ser policial mesmo quando está de folga,viu?), o bandido reage e o policial não pensa duas vezes: age de acordo com seus reflexos - algo que ele foi treinado durante anos, para encarar esse momento com determinação e coragem - e atira no bandido, que morre em seguida.

A população nesse momento estaria sentindo orgasmos nas redes sociais com essa notícia, se não fosse por um detalhe: um dos projéteis que o policial disparou contra o bandido, atingiu um rapaz que não tinha nada a ver com a situação, que passava de carro, próximo ao local do tiroteio. O famoso “morreu de bobeira”. E agora? O que vemos nas redes sociais? Vamos às frases:

“Tem que desarmar essa polícia!”
“Polícia despreparada!”
“Polícia é bandido de farda!”

Amiguinhos, vamos aos fatos: se queremos SEGURANÇA, não há como desarmar a polícia. Salvo engano, os bandidos não gostam de seguir regrinhas, viu? Eles SEMPRE estarão armados e dispostos a te matar, para atingir seus objetivos. Sendo assim, não podemos armar nossos policiais com pirulitos e bombas de confetes.

Se nossos policiais estão armados, significa que eles TAMBÉM são letais, para exercer o cumprimento do seu dever. Logo, MATAR faz parte do seu trabalho - não como objetivo - mas como consequência, quando a situação atinge níveis extremos.

Infelizmente acidentes acontecem, como em todas a profissões - e nesse caso, não foi diferente. Ainda que policial tenha toda a perícia necessária para alvejar um bandido em questões de milissegundos, o resultado final nem sempre é o desejado - pois não são raros os casos de balas que encontram vítimas a quilômetros de distância da sua zona de disparo. E nem vou falar dos casos mais bizarros de balas que ricocheteiam três ou quatro vezes, nos obstáculos mais improváveis, até encontrar o corpo de alguém. Ao ter uma arma como ferramenta de trabalho, um policial está sujeito a isto, também.

É claro, todos nós lamentamos que uma vida inocente se perca em fatalidades como essa, mas é o risco e o custo que todos nós assumimos, quando desejamos SEGURANÇA, em nossos lares.

O que faremos para manter a nossa segurança? Acabar com a Polícia e liberar porte de arma para todo mundo? Porque é muita covardia permitir que bandidos circulem impunemente com suas armas, ameaçando a integridade física e material de todos e nós, impotentes, sem ninguém para nos proteger.

Sendo assim, eu pediria CAUTELA, em cada situação onde um policial é injustamente condenado, apenas por estar cumprindo o seu dever. Eu imagino o trauma psicológico que ele deva estar sofrendo, por ceifar uma vida ACIDENTALMENTE, ao realizar o seu trabalho.

O mesmo trabalho que todos nós esperamos que ele faça, todos os dias. Inclusive matando bandidos.

Você quer Justiça? Então seja justo.

Fábio Marchi

Dê sua opinião, comente este artigo!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.