Textículo

Carta de Ano-Novo

Comente este artigo

Eu sei o que você deve estar pensando: 2015 foi uma droga, e pelas perspectivas que temos pela frente, 2016 não será nada animador.

Em 2015 conhecemos uma crise econômica como há muito tempo não víamos: desemprego, custo de vida altíssimo, pouco dinheiro circulante para movimentar a economia e o preço de tudo subindo, sem parar. A nossa política anda mais suja que mangueira de limpa-fossa em pleno trabalho - e o que mais dói é que somos nós, o povo, é que colocamos todos eles lá, exatamente onde estão. A corrupção então, nem se fala: a gente sabia que o brasileiro curtia um pixulequinho aqui, uma furadinha de fila acolá - mas a Polícia Federal escrachou na nossa cara que a coisa é muito mais séria do que imaginávamos. A nossa Presidente mostrou-se uma pessoa fraca e incapaz de administrar o país: incompetente em suas decisões, teimosa e capaz de fazer de tudo ( inclusive negociar cargos e vantagens para seus inimigos e pessoas influentes que possam livrá-la dos seus erros e crimes ) para se manter absoluta, no poder.

Enfim, 2015 foi um ótimo ano.

Êpa, tá maluco Fabão? Depois de tudo isso, você ainda tem a coragem de dizer que 2015 foi um ano ÓTIMO? Parei de ler esse texto nesse exato momento!

Calma, meus amigos. Antes de continuar, vou contar uma pequena história:


Era uma vez uma rica mulher, que casou-se com um homem ambicioso e arrogante. Ela tinha muitos bens, que eram administrados por esse sujeito - que gabava-se de ser um excelente administrador, mas era um perdulário com jogos, mulheres e negócios excusos - em que boa parte deles, para manter sua operacionalidade, ele tinha que pagar propina para fiscais, juízes e políticos.

Ela o amava, pois foi paixão a primeira vista. Conheceu-o através de alguns amigos - que garantiram que ele era honesto, de confiança e tinha boas intenções. Outros, porém alertavam que ele não merecia o seu amor, pois podiam enxergar suas reais intenções. No final, o coração acabou falando mais alto que a razão.

Porém, ela desconfiava que algo estava acontecendo, pois via seu patrimônio sendo diluído a cada ano que passava, mas seu amor ainda inspirava confiança: “É só um pouco de azar”, pensava.

Mas não se engane com a ingenuidade dessa mulher. Por ter um patrimônio imenso, ela fez um contrato pré-nupcial que estabelecia um regime TOTAL de separação de bens nos primeiros quatro anos de casamento. SE as coisas corressem como o esperado, então o regime de bens mudaria, dali por diante.

Então, um dia ela resolveu fazer uma visita surpresa no trabalho do seu marido e viu a porta do escritório entreaberta. Lá dentro, ele possuía sua amante - uma parceira de negócios.

Desnorteada, ela procurou apoio e consolo com seus amigos que alertaram no início - e então a verdade veio à tona: seus negócios escusos, farras, jogatina e toda aquela sujeira foi despejada à sua frente. Ela chorou muito, sofreu bastante, mas tomou uma decisão: expulsou-o de sua casa, pediu o divórcio e nunca mais permitiu-se ser explorada por ele.

Para sua sorte, faltavam poucos meses para o término do seu contrato pré-nupcial. Se ela continuasse nesse infeliz casamento, ela teria perdido todo o seu patrimônio, para sempre.  
  

Entenderam, amiguinhos?

Ainda que 2015 tenha sido um dos piores anos de todos os tempos,  tanto na área política, social e econômica, foi um ano de expurgos, de iluminação: nós finalmente conseguimos enxergar o que estava oculto nas sombras, na escuridão.

2015 foi o ano em que os nossos olhos foram abertos, foi o ano em que as verdades secretas elucidaram-se diante dos nossos olhos. Temos sim, que sermos gratos pela oportunidade dessas verdades revelarem-se para nós.

Isso aconteceu em um momento propício: antes de mais um ano eleitoral. Eu sei que muitos de vocês não gostam de política, mas assim como rabada, buchada ou bife de fígado, APRENDAM A GOSTAR: pois é apenas e tão somente apenas a POLÍTICA, que tem a capacidade de transformar as nossas vidas.

São os POLÍTICOS que aprovam e revogam leis, assinam e outorgam decretos, emendas, taxas, impostos e tudo aquilo que de uma forma ou de outra, acaba influenciando no nosso arroz, no nosso feijão, na nossa luz, no nosso emprego, na nossa viagem de férias, na tão sonhada compra da casa própria.

Tudo o que eles fazem influenciam DIRETAMENTE toda a nossa vida, não importa se você é um simples assalariado ou um empresário bem-sucedido. TODOS dependemos da política, tenha sempre isso em mente. É um mantra que você deve carregar consigo e ensinar para seus descendentes, por toda a sua existência - para sua própria sobrevivência.

Eu tenho um amigo que dizia que não se importava com a alta do dólar, porque isso não afetava a vida dele - isso era uma coisa que só os ricos deveriam se preocupar, ao fazer suas compras no exterior. Então eu disse que o Brasil não produz trigo suficiente, quase todo o trigo que consumimos é importado - e pagamos isso em DÓLAR. Sendo assim, do pãozinho que ele come aos biscoitos que os filhos dele adoram, o salgadinho da padaria, aquele peixinho empanado que ele curte e até a CERVEJA que ele bebe (que leva trigo em sua composição), sofrem aumentos de preço cada vez que o dólar aumenta. Hoje ele xinga muito, quando há uma variação cambial do dólar.

E é exatamente isso, o que eu desejo na sua vida, em 2016. Abra seus olhos, e faça tudo diferente. Não fique parado. Seja um agente da mudança. Seja ativo nas redes sociais. Seja ativo no seu trabalho, na sua escola ou faculdade. Converse com amigos, convença-os a fazer diferente, dessa vez.

Temos uma única chance de transformar tudo isso, começando pelas eleições muncipais, nesse ano vindouro. Temos a chance de parar com com esse sofrimento, antes que ele se propague mais. Não a desperdice. Lembre-se que o Mundo à sua volta só muda, quando VOCÊ muda.  
  
Tudo já foi mostrado. Agora é com você.

Boa sorte, muita sabedoria e muita luz, para todos nós!
  
Feliz 2016! 

Fábio Marchi
Um bugre que gosta de escrever.

Dê sua opinião, comente este artigo!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.