Você em Análise

Entendendo a Depressão

Comente este artigo

Todos já ouviram falar de depressão, já passaram pela situação ou presenciou o fato em alguém próximo. Vida agitada, perdas, estresses, esses são alguns fatores que podem colaborar para o seu surgimento.

Vamos conhecer um pouco mais sobre essa doença que acomete cada vez mais o ser humano.

A depressão é uma doença que se caracteriza por uma alteração geral no estado de humor da pessoa, deixando-a com um predomínio anormal de tristeza, incluindo ainda sintomas físicos e psíquicos.

Os indivíduos deprimidos experimentam baixa auto-estima, pessimismo em relação ao futuro, níveis reduzidos de  motivação, exagero dos seus problemas cotidianos e processo de pensamentos mais lentos.

As causas são múltiplas, podendo estar associadas a fatores genéticos e neuroquímicos, somando a fatores ambientais, sociais e psicológicos.

Algumas depressões são desencadeadas por fatores externos (psicológicos) como conflitos, estresses, mudanças repentinas, traumas, história familiar, etc. Enquanto outras podem ser desencadeadas por fatores internos (fisiológicos) como baixos níveis de neurotransmissores. Muitas vezes, são decorrentes de fatores genéticos, sendo herdado de pais para filhos ou pelo uso de drogas, álcool e medicamentos.

A depressão está associada a uma variedade de mudanças bioquímicas no cérebro. No ponto de vista fisiológico ela é resultado de um baixo nível de atividade neurológica nas áreas do cérebro responsáveis pelo prazer. Isso implica 2 neurotransmissores: Serotonina e norepinefrina.

Pessoas em todas faixas etárias podem ser atingidas. Porém, mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens, pois elas expressam mais seus sentimentos, costumam ser expostas à situações estressantes e devido as diferenças fisiológicas e hormonais (TPM, tireóide).

Os sintomas podem durar de 6 meses a 2 anos. Passado esse período a maioria dos pacientes retornam à vida normal. No entanto, em 25% dos casos a doença se torna crônica. Se o paciente não procurar ajuda e não se tratar corretamente, ela se torna cada vez mais recorrente.

Os indivíduos deprimidos são mais suscetíveis a uma variedade de doenças em decorrência de um prejuízo no sistema imunológico, eles produzem menos linfócitos, que são os glóbulos brancos, os quais são responsáveis pelo combate às doenças.

Os sintomas englobam estados deprimidos a maior parte do tempo; choro constante; redução de motivação; interesse diminuído ou perda de prazer para realizar as atividades de rotina; sensação de inutilidade ou culpa excessiva; dificuldade de concentração; processo de pensamento mais lento; fadiga ou perda de energia; distúrbio do sono como a insônia ou hipersônia; problemas psicomotores como a agitação ou lentidão; perda ou ganho significativo de peso, na ausência de regime alimentar; idéias recorrentes de morte ou suicídio; pessimismo; prejuízo no funcionamento sexual.

Esses sintomas da depressão interferem drasticamente na qualidade de vida do indivíduo podendo acarretar na perda de dias de trabalho, retraimento social, atendimento médico periódico, ingestão regular de medicamentos e  suicídios.

O tratamento consiste na junção de antidepressivos e psicoterapia. A medicação anti-depressiva tenta regular a serotonina, mas isto vai apenas tratar os sintomas, não a causa. A Psicoterapia irá atuar e trata a causa. O exercício físico, quando possível, também ajuda nesse tratamento por ajudar a regular a parte bioquímica do cérebro.

Para ter uma vida psicologicamente saudável é necessário praticar alguma atividade física, pois causam prazer ativando a serotonina e evitam doenças. Pensamentos positivos são essenciais, pois esses geram sentimentos positivos. Ocupar o tempo com atividades agradáveis como: oficinas de artes, pintura, leitura, um bom programa, entre outros que lhe tragam prazer, ajudam o indivíduo a ter um bem estar.

Estar sempre produzindo algo para se sentir útil. O ser humano deve evitar ficar parado por muito tempo para não “enferrujar” o cérebro e o corpo, deve ter uma boa alimentação para o corpo ter energia.O apoio social também traz benefícios. Ter bons amigos para conversar, desabafar, trocar idéias, dividir o sofrimento, a alegria e buscar soluções para os problemas que podem surgir é fundamental para a pessoa não adoecer. Uma boa estrutura familiar é importante, porque essa é o alicerce de todo indivíduo.

Reserve um tempo pra você de modo que isso lhe traga a sensação de bem-estar, pois é indispensável para uma vida saudável. 

Michele Guimarães de Azevedo Martins
Psicóloga formada há 13 anos, pela Universidade católica de Petrópolis (RJ). Pós graduada em psicanalise e gestão de recursos humanos. Trabalha como psicóloga clínica. Professora de cursos técnicos. Trabalhou na Prefeitura de Três Rios coordernando grupos de tabagismo e através de palestras, trabalhou na prevenção e promoção de saúde mental.

Dê sua opinião, comente este artigo!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.