​O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, está no plenário da Câmara para explicar aos parlamentares os cortes no orçamento das universidades públicas e de institutos federais.

Por se tratar de convocação, o ministro foi obrigado a comparecer à comissão geral que o ouve desde às 15h (horário de Brasília). Segundo o autor do pedido, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), o ministro precisa explicar como será feito o bloqueio dos recursos.

Matéria continua após a publicidade

Em meio às perguntas da oposição, Weintraub retrucou as críticas e abordou as manifestações deste dia 15 com desânimo. O ministro alega que não acredita em “revoluções”, que as manifestações não ganharão nada através do grito e que o Governo Federal somente irá trabalhar através dos números.

“Não acredito em revoluções. Essas manifestações não ganharão nada no grito. Nós iremos trabalhar com números, com orçamentos, iremos refazer a educação brasileira sem ideologia, mas através da planilha Excel”.

Weintraub disse ainda que não há um corte. Segundo ele, o governo está “obedecendo a lei”. “Não tem corte. Se você pegar o orçamento total, a gente está obedecendo a lei”, declarou.

Matéria continua após a publicidade

“Não somos responsáveis pelo contingenciamento atual”, afirmou, atribuindo a culpa ao governo da petista Dilma Rousseff, que tinha Michel Temer como vice. “Este governo, que tem quatro meses, não é responsável pela situação”, disse.

Acompanhe a transmissão da sessão pela TV Câmara:

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos