Adolescente foi morto e teve corpo queimado em plantação de milho em Canarana / Imagem: Reprodução/Facebook

Três homens foram presos pela Polícia Civil suspeitos de matarem um adolescente de 15 anos e atearem fogo no corpo dele em uma plantação de milho em Canarana, a 838 km de Cuiabá.

O crime ocorreu em uma região de fazendas na zona rural, na madrugada de sábado (7), mas os suspeitos foram presos apenas nessa sexta-feira (13).

Matéria continua após a publicidade

Segundo o delegado que conduz as investigações sobre o caso, Deuel Paixão, os suspeitos teriam confundido o garoto como sendo um dos rapazes que participou de uma briga ocorrida anteriormente entre os envolvidos.

A polícia não informou se os suspeitos já foram interrogados e não localizou a defesa dos três presos. O trio deve ser indiciado por homicídio qualificado.

Conforme a Polícia Civil, foram presos Washington Rodrigo Silva Maia, Diego Silva Maia e Samuel da Silva Santos, sendo que os dois primeiros se apresentaram na delegacia e o terceiro foi encontrado em uma propriedade na zona rural de Canarana. As idades dos suspeitos não foram divulgadas.

Matéria continua após a publicidade

As investigações da polícia apontam que o adolescente foi rendido pelos suspeitos e colocado à força dentro de um veículo. O garoto foi asfixiado, espancado na região da cabeça e teve o pescoço cortado com um canivete.

Após as agressões, os suspeitos ainda atearam fogo no corpo da vítima, que ainda estava viva, conforme a polícia.

O corpo do adolescente foi encontrado em uma lavoura de milho pelo funcionário de uma fazenda, que acionou a Polícia Militar. Ele relatou na ocasião que, a princípio, achou que tratava-se de um boneco e não de um corpo.

Segundo a Polícia Civil, os três suspeitos estão à disposição da Justiça e devem passar por audiência de custódia.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos