A revisão tarifária, proposta pela empresa, é permitida por lei / Imagem: Ilustrativo

Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) rejeitou o pedido de suspensão do reajuste na conta de luz nos 74 municípios de Mato Grosso do Sul que são atendidos pela Energisa. O pedido havia sido impetrado pelo Conselho dos Consumidores de Energia Elétrica da Área de Concessão da Energisa-MS (Concen). A decisão foi publicada no Diário Oficial da União de sexta-feira (4).

Segundo o Concen, a agência ainda vai analisar o mérito do pedido, já que existem alguns questionamentos levantados pela instituição sobre o aumento.

Matéria continua após a publicidade

O Concen vem reiterando que discorda do reajuste médio de 9,87% na conta, que entrou em vigor no dia 8 de abril, porque discorda do preço alto apresentado pela concessionária na compra de materiais para a ampliação e manutenção da rede de fornecimento de energia.

Já a Energisa vem explicando que fatores como transporte, compra de energia e distribuição foram os responsáveis pela elevação de 10,65% no valor da tarifa para residências e em 7,91% para indústrias. Juntos, os valores totalizam a média de 9,87%.

"Essa empresa, até dois mil e doze, pertencia a um outro grupo econônomico que vinha com dificuldades financeiras. Inclusive para realizar esses investimentos. Quando a energia assumiu em dois mil e catorze, de lá para cá ela fez um investimento muito forte e isso se reflete agora, nesse momento da revisão tarifária", explicou Fernando Maia, diretor de regulação da Energisa, na época da concessão do reajuste, no início de abril.

Matéria continua após a publicidade

A revisão tarifária, proposta pela empresa, é permitida por lei e feita de cinco em cinco anos, devendo levar em consideração as despesas extras adquiridas durante o período.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos