O estupro é, certamente, dos crimes mais absurdos e repugnantes de nossa sociedade. Quando ocorre contra vulneráveis (para os atos sexuais praticados abaixo da idade de 14 anos), a questão é mais complexa, pois muitas vezes as vítimas não sabem como se defender, sendo na maioria dos casos, os crimes ocorrendo por parte de familiares ou conhecidos. 

Foi justamente o que teria ocorrido no dia 08 deste mês de abril. Um pai, identificado como M.L de 39 anos, teria praticado atos libidinosos com seu filho de apenas 03 anos de idade, pedindo para praticar sexo oral com ele. Ainda conforme depoimento da própria criança, que contou com detalhes como os fatos ocorriam, o pai teria introduzido o dedo em seu ânus.

Matéria continua após a publicidade

Na manhã desta segunda-feira (16), a Delegacia de Atendimento à infância, Juventude e Idoso de Corumbá e Policiais Civis do SIG deu cumprimento ao mandado de prisão contra M. L (39), e outro acusado que também cometeu estupro contra menor na cidade de Corumbá.

O outro mandado expedido expedido pela 1ª Vara Criminal, foi contra o autor identificado como E.G.H de 53 anos, acusado de estuprar uma adolescente de 15 anos, no bairro Cravo Vermelho. O estupro teria ocorrido no dia 07 deste mês. Conforme as apurações policiais, o acusador teria oferecido a quantia de R$ 50 reais para a vítima manter relações sexuais com ele. Diante a negativa, o homem teria jogado a adolescente de bruços na cama e mediante o uso da força, a violentado sexualmente. Posteriormente, o autor teria quebrado uma garrafa de cerveja e obrigado que a menina fizesse sexo oral nele, tendo ainda provocado cortes profundos nos braços e pernas da adolescente.

Os autores negam os ocorridos. Com estas duas prisões, sobe para oito o número de casos envolvendo estupro de vulneráveis e adolescentes em Corumbá somente em 2018. 

Matéria continua após a publicidade

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos