O presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou na manhã desta sexta-feira, 14, que vai demitir o presidente dos Correios general Juarez Aparecido de Paula Cunha. Em um café da manhã com jornalistas, o presidente da República afirmou que Cunha “foi ao Congresso e agiu como sindicalista”, em referência à participação do militar em um ato de parlamentares de esquerda em que fez críticas à privatização da estatal.

Matéria continua após a publicidade

A venda dos Correios foi anunciada pelo próprio Bolsonaro em entrevista exclusiva a VEJA, em sua edição 2637, ao ser indagado sobre o que o governo faria após a aprovação da reforma da Previdência. “Vamos partir para a reforma tributária e para as privatizações. Já dei sinal verde para privatizar os Correios. A orientação é que a gente explique por que é necessário privatizar”, disse.

De acordo com O Estado de S. Paulo, Bolsonaro afirmou que convidou o general Santos Cruz, demitido nesta quinta 13 da Secretaria de Governo, para ocupar a vaga, mas adiantou que não tem o nome do substituto. O general Juarez Aparecido de Paula Cunha estava à frente da estatal desde novembro de 2018, durante o governo de Michel Temer (MDB).

Reportagem publicada por VEJA mostra que, com operações ineficientes e deficitárias, a estatal precisa ser vendida nos próximos cinco anos, ou já não terão mais valor de mercado. Os cálculos preliminares feitos pela equipe do governo mostram que o tempo de vida útil para concretizar a venda dos Correios está em torno de cinco anos.

Desde o início de 2018, a principal fonte de receita da estatal deixou de ser o monopólio postal — a entrega de cartas, largamente substituídas por várias formas de mensagem eletrônica — e passou a ser a entrega de encomendas, mudança impulsionada, sobretudo, pelo crescimento do e-commerce. A questão é que a ineficiência da empresa na entrega final — que no jargão da área é chamada de last mile delivery — vem minando a participação dos Correios no setor. No prazo previsto pelo governo, as transportadoras privadas ultrapassarão a estatal na prestação do serviço. O ponto de virada inviabilizaria por completo a sua venda.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos