Em 19 de novembro de 1943 foi inaugurado o famoso Cine Teatro Santa Cruz, que tornou-se o cartão postal de Corumbá. / Imagem: Nathalia Claro

Parece distante da realidade local, mas a cidade de Corumbá já foi uma referência em cinemas na região Centro Oeste. No século XX, a cidade chegou de ter onze cinemas bem estruturados, sendo chamariz para turistas na região do então estado de Mato Grosso.

Não à toa, a historiografia costuma cunhar o conceito de "auge econômico" da cidade de Corumbá no século XX, sobretudo entre as décadas de 30 à 60. Mas então o que ocorreu? Onde estão nossos teatros e cinemas? Foram esquecidos no passado?

Matéria continua após a publicidade

Atualmente, quem segura as pontas, e com esmero é preciso dizer, é a rede SESC que promove semanalmente sessões de cinemas gratuitas para a população. Todavia, não chega próximo às grandes salas de cinemas comerciais que o corumbaense só tem acesso quando vai à capital, Campo Grande.

Falta de interesse empresarial e político? Não sabemos. Mas olhar para o passado realmente nos traz certa nostalgia de uma época tão promissora à cultura. 

Os cinemas em Corumbá

Matéria continua após a publicidade

Quem atenciosamente nos fornece informações sobre este ápice cinematográfico em Corumbá no século XX é o falecido historiador e também dentista, Aziss Iunes, pai do atual prefeito do município de Corumbá, Marcelo Iunes. Aziss, em sua obra "Um pedacinho de Corumbá" (2012, Ed. Teassul), detalha a trajetória dos cinemas em Corumbá, cidade porturária então de destaque na rota hidrográfica do Brasil.

1. Cinema Lanterna Mágica - 1906

Conforme Aziss, o primeiro cinema que surgiu na cidade foi o Lanterna Mágica, de propriedade de Miguelito Peres e os irmãos Gregório e Alfredo SIlva. Foi inaugurado no dia 4 de julho de 1906, ao lado do Hotel Royal, antigo prédio da Prefeitura de Corumbá, na confluência das Ruas 13 de junho e 15 de novembro.

Este cinema utilizava a lanterna mágica ou epidascópio, que é a antecessora dos aparelhos de projeção modernos. Era constituída por uma câmara escura e um jogo de lentes. A luz de uma lâmpada de azeite incorporada, por meio de um condensador, atravessava uma placa de vidro pintada com desenhos que eram projetados num lenço. Era possível criar a ilusão de movimento movendo os vidros.

“A Lanterna Mágica” foi precursor dos projetores de diapositivos e avô dos modernos projetores de multimídia de cinema. As imagens eram imagens pintadas sobre placas de vidro, colocadas dentro da Lanterna Mágica e ampliadas ao serem projetadas sobre uma tela. / Imagem: Nathalia Claro

2. Cine Chic - 1909

Em 1909, surgiu em Corumbá a primeira máquina cinematográfica que substituiu a Lanterna Mágica. O Cine Chic se situava no antigo prédio do Banco do Brasil, na Rua Frei Mariano (hoje o Centro de Atendimento ao Contribuinte - CAC) de propriedade de Francisco Trápego. 

3. Cine Teatro Bijú - 1910

No dia 14 de julho de 1910, estreava o Cine Teatro Bijú, na rua Delamare, entre as ruas Frei Mariano e 15 de Novembro, cujo proprietário era o espanhol Ignácio Fontanillas. O cinema era dotado de camarotes luxuosos, cadeiras numeradas e palco. Na frente, funcionava uma lanchonete que servia salgados e bebidas nos intervalos, com direito a escutar músicas de banda em ambiente alegre, nos diz Aziss. Os filmes exibidos neste cinema eram todos europeus, devido a chegada dos navios que faziam o percurso marítimo da Costa Européia até os portos da América do Sul. 

4. Cine Seleta - 1911

Em meados de 1911, a sociedade Italiana Instrucione Beneficente Fratelanza, construída em 1892, ao lado da Igreja Matriz, em frente a Praça da República, atual prédio da Polícia Federal de Corumbá, inaugurou o Cine Seleta, tendo como proprietário o sírio João Dualibi. 

5. Cine Santa Helena - 1915

No mesmo local do Cine Seleta, funcionou a partir de 4 de janeiro de 1915 o famoso Cine Santa Helena, com os novos proprietários Manuel José Viveiros e irmãos José e Chafic Lotfi. 

6. Cine Excelsior - 1920

Em 10 de outubro de 1920, foi inaugurado o moderno Cine Excelsior ao lado da agência do Banco do Brasil na Rua 13 de Junho. O cinema foi construído por Mario tavares e Silvano Arruda, mas logo foi vendido para Juvenilio Tavares e Silvino Arruda, e depois para Amilca Vandoni e Leopoldo Peres. 

Este cinema exibiu filmes de alta categoria, tendo telas enormes como os cinemas das capitais europeias, afirma o historiador Aziss. Foi, infelizmente, desativado pelo seu último dono, Tito Prieto.

7. Cine Corumbaense - (data não informada)

Conforme Aziss, o Cine Corumbaense impressinou seu público por sua magnitude, instalado na rua Frei Mariano, ao lado da loja Philbois, local onde funcionou o Bar Hotel Venizelos e a Antiga Casa Botafogo, do Sr. Emilio Ismael. 

8.  Cine Teatro Santa Cruz - 1943

Em 19 de novembro de 1943 foi inaugurado o famoso Cine Teatro Santa Cruz, que tornou-se o cartão postal de Corumbá. Foi construído pela firma Tupi S/A, dos sócios Herminio Grosso, Raul Fossa, Anco Botelho e os irmãos Agripino Martins Bonilha. O nome escolhido devia-se ao primeiro nome da cidade de Corumbá. No palco deste cinema que funcionou por três décadas na Rua Delamare, entre a 15 de novembro e a Frei Mariano, também cantaram Nelson Gonçalves e Ângela Maria, além de ser ringue de lutas de boxe e matinês. 

9. Cine Tupi - 1944

A mesma responsável pelo Cine Teatro Santa Cruz, construiu no ano seguinte o Cine Tupi no térreo do Edifício IOSA, em frente à Praça da Independecia. 

10. Cine Teatro Anache - 1963

O maior e mais belo cinema do Centro-Oeste foi inaugurado em novembro de 1963 pela família Farjalla Anache. Este cinema foi orgulho dos corumbaenses por possuir som estéreo e ar condicionado, inovações para sua época. O Cine Anache foi inaugurado com a exibição do filme mega sucesso em bilheteria no mundo todo, "Pantera Cor de Rosa".

O cinema localizado na Rua Delamare, entre as ruas 15 de Novembro e 7 de Setembro, viveu sua fase áurea exibindo os mais famosos filmes da cinematografia mundial, além de ter sido palco também de shows inesquecíveis, como do paranormal Oriethy Bey e o desafiante de Uri Gueller que fugiu da raia nos anos 70. O cinema sofreu sua primeira reforma em meados da década de 90. Paralisou suas atividades e foi reinaugurado em 2000, inclusive com o show do cantor Belchior e cerrou suas portas em definitivo em 2002. Hoje permanece inativo.

Cine Anache, o maior e mais belo cinema do Centro-Oeste foi inaugurado em novembro de 1963 pela família Farjalla Anache. Hoje permanece inativo. / Imagem: Nathalia Claro

11. Cine Dom Bosco e outros - data não informada

Segundo Aziss, Corumbá também teve o Cine Dom Bosco, no Bairro Dom Bosco, e um cinema no Bairro Cervejaria, mantido pelo falecido empresário João Luis Miguéis, que, porém, não vingaram nos tempos atuais. 

 

Bons tempos...

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos