Depois de ser estuprada por adolescente de 15 anos, uma menina de apenas 1 ano de idade ficou desacordada em um matagal por cerca de duas horas e meia até ser encontrada pelo avô. O crime aconteceu no último sábado (23) e o adolescente apreendido nesta terça-feira (26).

De acordo com a delegada Ariene Murad, o adolescente morava com a mãe, mas teria cometido um furto no bairro. Com medo de o menor de idade ser agredido por moradores, a mãe o deixou sob a responsabilidade do pai que foi morar com o garoto na casa dos pais, no Loteamento Cristo Redentor, onde a criança também morava com os avós.

Matéria continua após a publicidade

No dia do crime, o menino disse que iria até uma padaria comprar um salgado e pediu para que a criança fosse junto. Como todos já conviviam há algum tempo, a mãe e a avó da menina deixaram. “Ele chegou a passar na padaria, mas em seguida levou a garota para uma matagal onde tinha uma construção abandonada”, explica.

A delegada afirma que o adolescente ficou cerca de meia hora com a vítima no local e que a menina desmaiou durante o estupro. Ao ouvir vozes próximo de onde estava, o suspeito jogou a criança desacordada e seminua no matagal. O abuso aconteceu por volta das 17h30 e a vítima foi encontrada pelo avô seminua e suja de terra somente por volta das 20 horas.

Depois do abuso, o adolescente ficou escondido na casa de uma amiga da mãe até ser apreendido pela polícia. Em depoimento, ele disse que tinha afeição pela garota e que não entende o motivo de ter feito o que fez.

Matéria continua após a publicidade

Exames periciais comprovaram o abuso sexual e o caso foi registrado como estupro de vulnerável na Deaij (Delegacia de Especializada de Atendimento à Infância e Juventude).

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos