Um casal foi preso nesta quarta-feira (5), logo após fugir da maternidade da Santa Casa de Campo Grande (MS) levando o filho recém-nascido.

De acordo com a assessoria de imprensa da Santa Casa, o casal é morador de rua. O pai do bebê, alterado ao saber que possivelmente o menino iria para um abrigo, ameaçou enfermeiras e saiu correndo do local acompanhado da mulher e da criança.

Matéria continua após a publicidade

A mulher deu entrada na Santa Casa no início da manhã, levada pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu). Segundo a enfermeira Nayara Malaggi, o parto aconteceu logo após as 7h. O pai foi levado à Assistência Social do hospital para ser avisado de que o Conselho Tutelar seria notificado e o bebê ficaria sob os cuidados da equipe no hospital. Ao retornar, ele ameaçou as enfermeiras:

“O pai começou a se exaltar muito, pegou um equipamento que a gente mede os bebês aqui dentro, quis me agredir e acabou empurrando uma enfermeira, que caiu, em seguida entregou o bebê para a mãe. Nesse momento eles desceram pelas escadas e nós descemos atrás. Na saída do hospital comunicamos os policiais [que estavam no local em uma escolta] e a polícia conseguiu alcançar o casal”, relata.

A enfermeira Katiane Pereira conta que as enfermeiras tentaram conter o homem, sem sucesso: “O pai estava na frente com o objeto e ela atrás, seguindo orientações do marido. Ele dizia que levaria o bebê com ele e que ninguém poderia impedir. [...] A mãe ainda usava as roupas do hospital”, declara.

Matéria continua após a publicidade

O casal tem outros 2 filhos que já foram recolhidos pelo Conselho Tutelar.

O bebê, que nasceu de parto normal com pouco mais de 3kg, é saudável, está sendo alimentado através de fórmula e passa bem. A enfermeira Natália diz que a situação é triste, já que os pais queriam levar o bebê consigo mesmo não possuindo condições de cuidar da criança:

“É uma criança vulnerável, tinha poucas horas de nascido, está frio, não sabemos se o casal usa entorpecentes, sabemos que infelizmente eles não teriam a menor condição de cuidar do menino. Você vê o desespero daquela pessoa, daquela mãe em querer levar o bebê, mas é uma inconsequência. Já passamos algumas vezes por casos semelhantes, mas nunca com agressão, como aconteceu hoje”, declara.

O menino está sob os cuidados do hospital aguardando procedimentos do conselho tutelar e pode ser levado para um abrigo, ou ainda, encaminhado para adoção.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos