A Energisa MS solicitou que a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) conceda um reajuste de 15,75% na tarifa de energia elétrica dos consumidores atendidos pela concessionária. Até o dia 8 de abril a agência define o percentual a ser aplicado a partir desta data.

No pleito entregue à Agência no dia 12 de março, a empresa alega que o percentual se justifica em virtude dos encargos setoriais de 1,12%, compra de energia de 5,4% entre abril do ano passado até agora e receita requerida de 7,4%.

Matéria continua após a publicidade

Ao apresentar uma planilha com os custos, a Energisa/MS afirma que “o efeito médio desse reajuste, a ser percebido pelo consumidor, deverá ser de +15,75%”, enfatizando que “todos os dados utilizados na construção do presente pleito foram colhidos junto à atual regulamentação setorial e ás áreas técnicas, comercial e contábil da empresa, com a memória de cálculo completa do reajuste”.

Com o pleito em mãos e mais informações das áreas técnicas da agência, os diretores da autarquia vão se reunir até o dia 5 de abril para definir o percentual de reajuste que começa a ser aplicado nas tarifas até o dia 8 de abril.

Abatimento

Matéria continua após a publicidade

NA terça-feira (19), a Aneel informou que nos próximos reajustes serão abatidos do cálculo da tarifa percentual entre 3,7% e 4,1%.

É que em setembro será antecipada a quitação de empréstimo de R$ 21,2 bilhões feito com um pool de bancos, em 2015, para evitar um reajuste elevado nas contas de luz naquele período. Originalmente, a amortização do financiamento, que ocorre por recolhimento de taxas nas contas de luz, ocorreria apenas em abril de 2020. Com isso, os consumidores deixarão de pagar R$ 6,4 bilhões em suas contas de luz neste ano, o que deve reduzir as tarifas em 3,7%, em média.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos