A iniciativa foi definida no Seminário de Saúde nas Fronteiras do Mercosul, realizado recentemente em Buenos Aires (Argentina). / Imagem: Internet

Os governos do Brasil e do Paraguai vão intensificar, entre os dias 16 e 27 de setembro, a campanha de vacinação contra a febre amarela e sarampo nas cidades de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, obedecendo o calendário nacional de cada país. O lançamento acontecerá no dia 16 de setembro nessas duas cidades, com a presença do Ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, e do Ministro da Saúde do Paraguai, Julio Mazzoleni.

O objetivo é ampliar a cobertura vacinal para o sarampo e febre amarela e, desta forma, controlar as doenças imuno preveníveis em regiões de fronteira devido a reemergência do sarampo nas Américas e potenciais surtos de febre amarela em regiões do Brasil. A iniciativa foi definida no Seminário de Saúde nas Fronteiras do Mercosul, realizado recentemente em Buenos Aires (Argentina) com participação da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

Matéria continua após a publicidade

As vacinas para a população das duas cidades fronteiriças serão ofertadas de forma seletiva, sendo a SRC ou tríplice viral contra sarampo, rubéola e caxumba; e a vacina contra a febre amarela (VFA). A primeira será ministrada em pessoas de 12 meses a menores de 29 anos de idade, com meta de alcançar 95% de cobertura vacinal. Já a imunização contra a febre amarela será destinada a pessoas de nove meses a 59 anos, tendo o objetivo de atingir 100% do público alvo.

Para garantir o sucesso da iniciativa, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES) irá realizar, na semana que vem (dias 3 e 4 de setembro), uma capacitação para os técnicos da Secretaria Municipal de Saúde de Ponta Porã, visando agilizar o registro das doses de vacinas que serão administradas no período da ação.

“Solicitamos ao Ministério da Saúde 12 mil doses de vacinas de tríplice viral e já dispomos de 15 mil doses de vacina contra a febre amarela”, afirma a Diretora Geral de Vigilância em Saúde da SES, Larissa Domingues de Arruda. “Também estamos reunindo profissionais do Núcleo Regional de Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde de Ponta Porã com técnicos da região de Amambai, para a definição dos postos de vacinação de ambos os lados, bem como a estratégia de vacinação dos acadêmicos de medicina brasileiros que estudam em universidades de Pedro Juan Caballero”, explica.

Matéria continua após a publicidade

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, “o sucesso dessa ação depende do envolvimento dos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) no âmbito da União, da Secretaria Estadual de Saúde de MS e Secretaria Municipal de Saúde de Ponta Porã, bem como da mobilização de recursos humanos, de grupos específicos e das parcerias com os profissionais e gestores do país vizinho, a fim de que haja o alcance das metas em um curto período de tempo”.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos