"Vocês mandaram alguém ontem buscar o filho de vocês na escola, né?!". É com este questionamento que um casal descobriu uma tentativa de sequestro, de um menino de 10 anos, no portão de uma escola particular do bairro Taveirópolis, em Campo Grande. O fato ocorreu no dia 21 de novembro deste ano e, deste então, a polícia tenta identificar o suspeito do crime.

"Nós analisamos imagens de circuito interno, no entorno da escola e descobrimos o carro utilitário que o suspeito chegou na escola. Ele então se dirigiu no portão, onde falou com uma funcionária. Na ocasião, o homem falou o nome completo e a série da criança, quando foi informado que ela não tinha ido na escola naquele dia", afirmou ao G1 o delegado João Paulo Sartori, responsável pelas investigações.

Matéria continua após a publicidade

Ao saber do fato, os pais, que não tiveram a identidade e profissão revelada, ficaram muito preocupados e procuraram a polícia. "Eles são pessoas de boa índole, sem antecedentes criminais. Prestaram depoimento aqui no Garras [Delegacia Especializada de Repressão à Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros], bem como a funcionária. Ainda não sabemos a motivação do crime", ressaltou Sartori.

Com as características em mãos, a Polícia Civil divulga o retrato-falado, com a intenção de receber possíveis denúncias. "O carro dele é um Renault Duster branco, com insulfilm e alguns detalhes pretos. O homem aparenta ter mais de 40 anos. Quem identificar ou tiver algum conhecido ou parente com estas características, pode falar conosco. Precisamos do endereço e qualificação desta pessoa, mantendo total sigilo. Temos uma suspeita e precisamos confirmar estas informações", explicou o delegado.

Matéria continua após a publicidade

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos