Uma idosa de 74 anos que foi resgatada em junho e girou demais enquanto estava atrelada ao helicóptero não ficou completamente satisfeita e está processando os administradores da cidade por lesões causadas por rodar sem parar.

De fato, Katalin parecia um peão jogado no chão por alguém com extrema habilidade. Por isso ela abriu um processo de US$ 2 milhões (ou R$ 8,42 milhões).

Matéria continua após a publicidade

Mas a situação dela não era nada fácil: ela caiu e feriu a cabeça enquanto escalava o monte Piestewa, em Phoenix (EUA), e foi aí que começou o drama, a maca não parava e deu “giros intermináveis”, de acordo com o relatório oficial do resgate.

Alguns jornais a descreveram como “uma lâmina humana”, devido a velocidade dos giros

Mas Katalin conta outra versão: segundo ela, foi necessária uma cirurgia para corrigir um dano na medula espinhal por causa do resgate. Ela ainda alega que foi posta na maca contra a própria vontade e por isso ficou com danos físicos e psicológicos.

Matéria continua após a publicidade

Segundo bombeiros disseram na época, que é relativamente comum que a maca gire, pelo fato da maca replicar as hélices do helicóptero. Bobby Dubnow, capitão do corpo de bombeiros, afirmou que ela só sofreu “um pouco de tontura”

Um médico do hospital que a atendeu depois, afirmou que ela tinha “inchaço e hematoma nos olhos”, além de sangue nos canais auditivos e inchaço em parte da cabeça.

Segundo ela, os custos médicos dos tratamentos de três semanas foram de cerca de US$ 290.000 (cerca de R$ 1,2 milhões)

Katalin alega que ainda está se recuperando da experiência negativa. Ao jornal New York Post, autoridades de Phoenix afirmaram que não comentam litígios ainda pendentes

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos