Foram apreendidos documentos e arquivos na Secretaria Municipal de Assistência Social. / Imagem: Correio da Manhã/Ana Marchi

As investigações que culminaram na Operação Sodalitia, em Ladário, começaram e 2016, após a Polícia Federal receber informações de que uma pessoa estava recebendo Bolsa Família irregularmente e, a partir daí, a suspeita de que outros também estariam se beneficiando.

“Inicialmente identificamos algumas pessoas suspeitas de estarem recebendo indevidamente e a partir daí, ampliamos as investigações e tivemos indícios de que mais pessoas estariam recebendo de maneira irregular o benefício”, explicou ao Diário Corumbaense o delegado da Polícia Federal de Corumbá, Iuri de Oliveira.

Matéria continua após a publicidade

Na manhã de ontem (12), equipes formadas por cerca de 30 policiais federais de Corumbá cumpriram três mandados de busca e apreensão expedidos pela Vara Federal de Corumbá.

PF na Assistência Social de Ladário. / Imagem: Fábio Marchi

Matéria continua após a publicidade

Foram apreendidos documentos e arquivos na Secretaria Municipal de Assistência Social, no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e no CREAS (Centro de Referência Especializada em Assistência Social), todos em Ladário.

As irregularidades detectadas envolveriam o não-preenchimento dos requisitos necessários para ter direito ao recebimento do benefício assistencial do Governo Federal, devido à falta de fiscalização da situação socioeconômica dos requerentes, que deveria ser feita pela Prefeitura da cidade. Porém, até o momento, não há informação de quantas pessoas estariam envolvidas no caso.

Conforme o delegado, disse que ainda não é possível identificar o número de pessoas envolvidas e a verificação será feita com o material coletado na secretaria e nos centros de referência em que são realizados os cadastros. O delegado disse ainda que é prematuro identificar se há servidores envolvidos ou se o esquema foi realizado pelos beneficiados, com apresentação de documentação falsa.

Entenda o caso

Os benefícios eram concedidos a pessoas, que não teriam direito. A fiscalização é de responsabilidade da Prefeitura de Ladário e não era realizada e a Secretaria Municipal de Assistência Social do município não realizava visitas junto aos beneficiários do programa.

De acordo com a PF, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão na Secretaria Municipal de Assistência Social, no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e no CREAS (Centro de Referência Especializada em Assistência Social), de Ladário.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos