Após audiência de custódia realizada na tarde desta segunda-feira (29), no Fórum de Três Lagoas, Adriano Augusto Castro dos Santos, de 19 anos, Matheus Gomes Novaes e Estevam Oezio Ribeiro Nascimento, de 18, foram liberados e poderão responder em liberdade a inquérito sobre estupro de três estudantes, de 11 e de 14 anos, no final de semana passado.

A audiência foi realizada na 3ª Vara Criminal, que é comandada pela juíza Daniela Endrice Rizzo. Os três foram presos em flagrante quando policiais militares procuravam por uma das adolescentes, que era dada como desaparecida. Na casa onde eles estavam com as menores, no bairro Jardim Ipacaraí, zona Oeste de Três Lagoas, também haveria porções de maconha, bebidas alcoólicas e preservativos usados, segundo a Polícia Militar.

Matéria continua após a publicidade

As meninas revelaram terem feito sexo com os presos - a mais nova disse aos PMs que perdeu a virgindade poucas horas antes. A entrada da polícia na casa ocorreu por meio de um imóvel vizinho porque os suspeitos se negaram a abrir a porta. O Conselho Tutelar e os pais das menores foram avisados e o caso foi registrado na DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher). Parentes das meninas disseram que exames médicos comprovaram o estupro.

REVOLTA

Matéria continua após a publicidade

O pai de uma menina disse se sentir “revoltado” com libertação dos acusados. “Como é que pode isso? Os caras cometem um crime assim, e ainda pode ser soltos? Minha filha tem só 11 anos! E está provado que eles levaram as meninas para a casa”, afirmou. Uma tia disse não acreditar mais na Justiça. A reportagem não conseguiu informações mais detalhadas do caso no Fórum. O trio foi representado por um defensor público, cedido pelo Tribunal de Justiça do Estado.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos