Dois homens, de 18 e 30 anos, foram flagrados comercializando um macaco sagui-de-tufo-branco (Callithrix jacchus), em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Eles foram presos após um rapaz marcar um encontro com a dupla, fingindo ser um comprador, e acionar a Polícia Civil. O animal foi negociado por R$ 600.

Segundo informações do delegado Alexandre Comin, responsável pelo flagrante dos suspeitos, eles anunciaram a venda do macaco por meio das redes sociais. Uma testemunha ligada à causa animal viu a publicação e marcou de encontrá-los no período da noite, no estacionamento de um shopping da cidade.

Matéria continua após a publicidade

Ao perceber que os vendedores haviam chegado no local, a testemunha acionou a Polícia Civil da cidade, que foi imediatamente para o estacionamento efetuar a prisão e resgatar o animal. O macaco é um filhote e estava armazenado dentro de uma caixa de leite, onde mal conseguia se mover.

Para marcar o encontro, o "comprador" e os vendedores chegaram a negociar a venda por um aplicativo de mensagens. Ao dizer que queria comprar o macaco, um dos suspeitos informou que o preço era R$ 600, em dinheiro, e que poderia enviar o animal por um motoboy ou entregar em mãos em um local a ser combinado. O valor foi reduzido para R$ 550.

Matéria continua após a publicidade

Os suspeitos foram inicialmente detidos, mas assinaram um termo circunstanciado e foram liberados para responder ao crime ambiental em liberdade. Eles foram indiciados por maus-tratos e tráfico de animais. "Essa lei é um tremendo absurdo, pois as penas são muito baixas", afirma o delegado Comin.

O sagui foi entregue aos cuidados de um veterinário da cidade, que assumiu como fiel depositário do animal. Nesta segunda-feira (10), ele será encaminhado pelo profissional para um órgão especializado no trato com animais silvestres, em São Vicente, cidade vizinha, para tratamento e futura devolução à natureza.

Essa espécie de sagui tem origem da Caatinga, na região norte do Rio São Francisco e litoral de Salvador, e costuma viver em bando com cerca de seis indivíduos. É considerada a espécie mais visada pelo tráfico de animais. O animal é de pequeno porte e tem a pelagem branca e estriada nas orelhas.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos