A mensagem postada no Facebook em 6 de novembro de 2018 mostra a foto de um paciente acamado e dois médicos conversando em uma UPA em Campo Grande — Foto: Redes sociais/Reprodução

“Por isso que as UPAs [Unidades de Pronto Atendimento] não funcionam. Enquanto os pacientes padecem, os médicos ficam batendo papo”. A mensagem postada no Facebook em 6 de novembro de 2018 mostra a foto de um paciente acamado e dois médicos conversando na Unidade de Pronto Atendimento do Jardim Leblon em Campo Grande (MS). A autora da postagem chegou a marcar a página da Unidade de Saúde na publicação.

Matéria continua após a publicidade

No dia seguinte, um dos médicos passou a sofrer questionamentos sobre sua conduta. De acordo com o advogado do médico, David Amizo Frizzo, ele foi questionado por pacientes e colegas de trabalho: “Isso causou um grande constrangimento”, declara. Cinco meses após a postagem, a Justiça de Mato Grosso do Sul condenou a mulher que fez a publicação a pagar uma indenização por danos morais ao médico no valor de R$10 mil.

Segundo o advogado, o médico estava em uma sala de observação e todos os pacientes já haviam sido atendidos. Ele trocava informações com uma colega de trabalho realocada há pouco tempo, momento em que um paciente que já tinha sido atendido tirou a foto e publicou com a ajuda da tia na rede social.

Matéria continua após a publicidade

“Entramos com a ação não pelo caráter financeiro, mas buscamos um caráter pedagógico, para que a sociedade saiba que o médico também enfrenta dias estressantes, em condições de trabalho difíceis.”

Ainda segundo o advogado, as redes sociais estimulam as denúncias, mas é preciso ter cuidado ao publicá-las. Ele afirma que o ideal é fazer a reclamação diretamente com a instituição ou a empresa responsável, evitando assim casos de difamação ou ofensas.

Tentamos contato com a mulher e sua defesa. No processo, ela disse que a publicação dos médicos conversando foi feita pela sobrinha que já tinha procurado a UPA três vezes, com pedras na vesícula. A decisão é em primeira instância, portanto, ainda cabe recurso por parte da autora.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos