Mulher é presa na Argentina por suspeita de matar com 185 facadas o esposo que a obrigava a se prostituir. Filha pode ter participado do crime. / Imagem: Reprodução Twitter

Argentina -Uma mulher argentina matou o marido com 185 facadas. Segundo o El Mundo, o crime aconteceu no último fim-de-semana, quando Paola Córdoba, de 38 anos, apunhalou o seu marido, Alberto Naiaretti, de 48 anos. As autoridades detiveram a mulher e uma das filha, de 18 anos, por suspeita de ter ajudado a mãe a matar o pai.

Relatos de vizinhos do bairro, onde vivia o casal, dizem que o homem abusava de uma das suas filhas, de 18 anos.

Matéria continua após a publicidade

Alberto era dono de um armazém e de um lava-jato. Além de Milagros, o casal tem outros três filhos, um de 13 anos, um de 9 e o mais novo de 6 anos de idade e viviam juntos há mais de 20 anos, de acordo com os investigadores.

Alberto Elvio Naiaretti foi morto com o número recorde de facadas. A mulher chegou em casa e encontrou-o abusando de uma das filhas, pegou uma faca de cozinha e não hesitou em cravá-la no peito, costas e cabeça do marido.

Matéria continua após a publicidade

Mulher matou o marido com 185 facadas. / Imagem: Divulgação

Os resultados da autópsia revelaram que a faca da cozinha entrou 185 vezes no corpo do homem, com uma histórico de assédio sexual e violência doméstica, sendo que quatro das quase 200 facadas foram mais profundas e uma delas teria sido fatal.

A mulher, de 38 anos, depois de ter assassinado o marido esperou pelos serviços de emergência e confessou o que tinha feito, reforçando o porquê de ter cometido o ato de fúria.

A irmã de Paola afirmou à imprensa local que Alberto obrigada a sua irmã a se prostituir, não a deixava dormir e a ameaçava de morte.

Segundo informações dos vizinhos, a mulher já havia apresentado queixas de violência doméstica contra o marido, mas que teriam sido ignoradas pelas autoridades das Malvinas Argentinas.

Além do cadastro criminal, o histórico de Alberto na vizinhança também não era o melhor, ele era conhecido por assediar as mulheres e ser um “vigarista”.

Vizinhos disseram à justiça que Alberto agredia Paola com frequência e a obrigava a oferecer serviços sexuais na Rota 8, que liga a capital Buenos Aires a cidades do pampa úmido.

— Ele maltratava as crianças, a Paola. Era uma pessoa má. — disse María Córdoba, irmã da acusada.

María recebeu pelo celular uma mensagem de Milagros no sábado em que estava escrito “venha porque mamãe matou o papai”.

As 185 facadas deste crime ultrapassam o número de golpes de arma branca de um dos crimes mais mediáticos da Argentina, quando duas irmãs mataram um padre, em ritual satânico, com 120 facadas em 2000.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos