Dinheiro apreendido durante a Operação Dominó da Polícia federal. / Imagem: Divulgação/PF

A operação da Polícia Federal denominada efeito Dominó, foi deflagrada na manhã desta terça-feira (15) em seis estados e o Distrito Federal. Foram confiscados dinheiro, documentos e arma de envolvidos em crimes de lavagem de dinheiro, contra o Sistema Financeiro Nacional, organização criminosa e associação para o tráfico internacional de entorpecentes.

Uma pessoa foi presa em Campo grande , identificada até agora como Humberto, no Set Village, suntuoso condomínio, na Vila Nasser. Em Dourados, uma quantia em dinheiro foi  e um mandado de busca e apreensão também foi cumprido em Amambai, na fronteira com o Paraguai. Ainda em Dourados, Pedro Araújo foi preso temporariamente. Os dois detidos teriam ligação com um esquema que envolve tráfico de drogas e doleiros. A PF, em Curitiba (PR), informou ter desmantelado o que chamou de "núcleo duro" da trama. 

Matéria continua após a publicidade

Segundo a PF, “foi possível identificar uma complexa e organizada estrutura destinada à lavagem de recursos provenientes do tráfico internacional de entorpecentes”.

Ainda conforme a PF, havia uma trama que envolveu doleiros e compradores de dinheiro. A importância que circulava entre os implicados no caso pagava propina a políticos implicados na Lava Jato, a maior operação da história da PF que desmantelou esquema de lavagem de dinheiro e corrupção no país.

Na operação de hoje (15) foi preso Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará, delator da Lava Jato. Ele disse em depoimento em 2014 ter entregado R$ 300 mil ao ex-presidente da República, hoje senador Fernando Collor de Melo, que nega o repasse. O Ministério Público Federal não sabia que Ceará era envolvido com o tráfico de droga. E ele estava solto somente por colaborar com a investigação acerca da Lava Jato.

Matéria continua após a publicidade

Ceará tinha negócios com Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, tido pela PF como um dos maiores traficantes da América do Sul, preso em maio do ano passado em Sorriso, cidade de Mato Grosso.

Durante a coletiva de imprensa que tratou do caso, na superintendência da PF, em Curitiba, há pelo menos 200 pessoas que ainda serão investigadas por envolvimento com doleiros.

A operação Efeito Dominó, que cerco em curso durante toda a terça-feira é deflagrada nas seguintes regiões:

Mandados:
RIO DE JANEIRO
Rio de Janeiro/RJ
04 mandados de busca e apreensão e 01 mandado de prisão temporária
Maricá/RJ
01 mandado de busca e apreensão

PARAÍBA
João Pessoa/PB
01 mandado de busca e apreensão e 01 mandado de prisão preventiva
Cabedelo/PB
01 mandado de busca e apreensão

PERNAMBUCO
Recife/PE
03 mandados de busca e apreensão e 02 mandados de prisão preventiva

CEARÁ
Fortaleza/CE
01 mandado de busca e apreensão e 01 mandado de prisão temporária

DISTRITO FEDERAL
Brasília /DF
02 mandados de busca e apreensão e 01 mandado de prisão preventiva

MATO GROSSO DO SUL
Campo Grande/MS
01 mandado de busca e apreensão e 01 mandado de prisão preventiva
Amambai/MS
01 mandado de busca e apreensão
Dourados/MS
01 mandado de busca e apreensão e 01 mandado de prisão temporária

SÃO PAULO
São Paulo/SP
02 mandados de busca e apreensão

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos