Empresário Fadil Bahmad, de 63 anos, suspeito de exploração sexual de adolescentes em Ladário, região do Pantanal. / Imagem: Polícia Civil

    A Polícia Civil concluiu o inquérito e divulgou nesta segunda-feira (12) o caso do empresário Fadil Bahmad, de 63 anos, suspeito de exploração sexual de adolescentes em Ladário, região do Pantanal.

    Matéria continua após a publicidade

    A advogada do empresário, Gabriella da Cunha Carneiro, disse ao G1 que considera as investigações precipitadas, com base em suposições e que vai entrar com um pedido da habeas corpus.

    De acordo com as investigações, o empresário explorava meninas de famílias carentes oferecendo dinheiro, presentes, tratamento odontológico, roupas, calçados, tratamento de beleza e pagando academia para elas.

    Matéria continua após a publicidade

    Segundo a polícia, em um dos casos, uma jovem de 13 anos foi levada para passear pelo homem que tocou nas partes intimas dela, e em outra ocasião, ele teria pedido fotos da garota nua. As investigações apontam que o empresário agiu de forma parecida com outras duas adolescentes.

    A nota da Polícia Civil cita que a investigação enfrentou dificuldades pele influência do empresário e pelo fato das famílias serem de origem humilde: “Vale citar que a investigação assumiu contornos peculiares, pois o investigado é indivíduo conhecido e bem relacionado na cidade de Ladário, o que faz com que outras pessoas, ainda que se mostrem indignadas, não queiram colaborar com a investigação, assim como a própria família da vítima, pois de origem humilde e supridas financeiramente pelo autor”

    Fadil foi detido no dia 29 de julho pela polícia que cumpriu mandado judicial de prisão preventiva.

    Dê sua opinião, comente esta matéria!

    ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

    Já leu?

    Leia nossos Artigos