Inconformado com o envolvimento de crianças e adolescentes na criminalidade, o cabo da Polícia Militar de Ladário, Marcelo Augusto dos Santos Barcellos (43), buscou uma solução educativa e de impacto social na cidade. Contando com a ajuda apenas de sua família e de poucos amigos, Barcellos desenvolveu há dois anos um projeto chamado "Civismo no Bairro" que visa levar ao público jovem conceitos de respeito aos valores sociais, familiares, além de atividades físicas e, futuramente, aulas de informática.

Matéria continua após a publicidade

Civismo não é nacionalismo exacerbado, não é intolerância nem uma propaganda da ditadura. Eu sempre deixo claro aos pais e mães que trazem seus filhos ao projeto, que meu intuito aqui é levar bons valores aos jovens, como o amor à família e o respeito em sociedade, sobretudo em comunidades onde o índice de envolvimento de crianças e adolescentes com as drogas é muito alto

Barcelos, cabo da PM e instrutor de defesa pessoal

O projeto Civismo no Bairro começou no bairro Alta Floresta, de Ladário, bairro este que possui alto índice de bocas de fumo na cidade. Aproveitando do terreno e do apoio de uma Igreja Evangélica da região, Barcellos reuniu as crianças que frequentavam o culto e outras que pareceram interessadas, e então pôs em prática seu projeto.  

Matéria continua após a publicidade

Nosso público é formado, em sua maioria, por crianças carentes. Algumas chegavam no projeto sem calçado. Então começamos a juntar fundos para poder ceder uniformes a essas crianças. Assim nivelamos a turma e demonstramos que todos ali são iguais, sem diferenciação de classe ou raça

Neste ano, o projeto pretende se expandir em outros bairros e também tentar abraçar as escolas públicas da cidade. Com a elaboração de uniformes e um slogan próprio, Barcellos enseja desenvolver uma identidade ao grupo, para que aos jovens integrantes se sintam pertencentes e possam se reconhecer como cidadãos em busca de otimizar  meio em que vivem.

Para auxiliar financeiramente o projeto, Barcellos conta com a ajuda da mãe que possui uma empresa de gás, a Gás Express, em Ladário, e a cada compra de um botijao, um real é doado para o projeto para a compra de material, uniformes e calçados para as crianças integrantes.

Barcellos explica que a figura do policial militar tornou-se quase um vilão da juventude, tido como o sujeito que se deve temer. Com seu projeto, ele tenta desmistificar a figura do policial, tornando-se um amigo dos jovens, uma figura do orientação e de proteção.

Quando há uma ocorrência, a policia militar vai lá, reagindo ao que aconteceu, sem tempo de trabalhar na prevenção. Hoje o jovem é bombardeado por maus exemplos em diferentes mídias, e cada vez mais se distancia da família. Eu me apresento não somente como policial, mas como pai que deseja proteger seus filhos e torná-los exemplos de cidadão.

A esposa de Barcellos, Rosalina Damiana Barcellos (40), que também é agente de trânsito, apóia o marido na causa, dando suporte nas orientações durante as aulas. 

Acho o projeto Civismo no Bairro importantíssimo, pois a criança leva os valores do grupo para seu cotidiano. Como agente de trânsito, eu faço muitas palestras em sala de aulas, e percebo uma forte indisciplina entre os jovens. Com o projeto, pretendemos refletir o aprendizado em todos os setores da vida daquele aluno, seja na escola seja com a família.

Rosalina Damiana, esposa de Barcellos

Para quem desejar se voluntariar ao projeto Civismo no Bairro ou convidar o projeto ao seu bairro, basta contatar Barcellos via facebook em sua página pessoal https://www.facebook.com/marcelo.barcellos.376.

Mais imagens:

Barcellos e família reunida em apoio ao Civismo no Bairro | Imagem: Nathalia Claro

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos