O então deputado federal Gandi Jamil Georges, aliado do governo militar, usava um Opala para traficar drogas pela fronteira do Paraguai com o Mato Grosso do Sul. Illustração: Rodrigo Bento/The Intercept Brasil

OPALA PRETO, com placas do Poder Legislativo Federal, cruzava tranquilamente a fronteira do Brasil com o Paraguai em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. Afinal, em plena ditadura, nenhum policial cometeria o erro de parar o carro que era usado pelo então deputado federal Gandi Jamil Georges, aliado do governo militar. No porta-malas, inúmeras cargas de armas e drogas traficadas sem problemas país adentro, como revelam dossiês exclusivos obtidos pelo Intercept.

Os arquivos do Serviço Nacional de Informações, o todo poderoso SNI, esquecidos por 30 anos, ligam pela primeira vez políticos da ditadura ao tráfico de drogas. Eles mostram que políticos apoiados pelo regime eram amigos, aliados e até irmãos de traficantes e contrabandistas que atuavam no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul. O Opala da Câmara é o exemplo mais característico.

Matéria continua após a publicidade

Classificados como confidenciais, os documentos foram tornados públicos em 2005 por conta do decreto 5.584 assinado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que determinou que todos os documentos produzidos pelo SNI e pelos extintos Conselho de Segurança Nacional e Comissão Geral de Investigações – órgãos responsáveis por vigiar os cidadãos durante a ditadura –, e que estavam em poder da Abin, a Agência Brasileira de Inteligência, fossem remetidos ao Arquivo Nacional. Os dossiês compilados pelo SNI e encontrados pela reportagem incluem cópias de investigações, relatos de policiais federais, descrições de prisões e apreensões, documentos e observações dos próprios agentes. Mas, curiosamente, ninguém deu bola para os papéis, e eles acabaram esquecidos nas gavetas do órgão, permanecendo inéditos – até agora.

Flyer da campanha eleitoral de Pedrossian, em 1990, um dos principais aliados de Gandi Jamil Georges. Foto: Marco Eusébio/Entrelinhas da Notícia

Alvo de diversos relatórios do SNI, Fahd Jamil Georges desenvolveu seu império durante a ditadura. Ele só seria condenado em 2005, quando o juiz Odilon Oliveira o sentenciou a 20 anos de prisão por tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e sonegação. No ano seguinte, Fahd entrou em uma lista, elaborada pela Casa Branca, que aponta os maiores traficantes de drogas do mundo.

Matéria continua após a publicidade

Flyer da campanha eleitoral de Pedrossian, em 1990, um dos principais aliados de Gandi Jamil Georges.
Nos anos 1980, o esquema coordenado por Fahd funcionava da seguinte forma: um primeiro motorista, identificado como Pretinho, era responsável por levar o Opala de Brasília até a capital do estado, Campo Grande, a cerca de 300 quilômetros da fronteira.

De lá, Luiz Duim Neto, motorista do traficante, seguia até Ponta Porã e recebia o material encomendado pelo seu chefe – o relatório descreve cargas de cocaína, maconha, armas, munições e até nitroglicerina (ingrediente de explosivos). Ao voltar para Campo Grande, Duim Neto levava material do tráfico até São Paulo ou Rio de Janeiro, onde abastecia as ainda incipientes facções criminosas da região. Ele foi, de certa forma, um precursor da hoje famosa rota do Paraguai, por onde entra boa parte das drogas e armas contrabandeadas no país.

Antes de partir para o sudeste, as armas e as drogas eram guardadas em propriedades da família do deputado federal no estado. Em alguns casos, descreve o SNI, o material era mantido em Ponta Porã e depois colocado em caminhões cobertos com pedra britada, para passarem despercebidos pela fiscalização.

Raramente o tráfico era surpreendido. Por isso, o motorista Luiz Duim Neto se orgulhava do trabalho realizado. Segundo o SNI, o contrabandista costumava falar publicamente que suas “armas estavam fazendo sucesso” quando via notícias de tiroteios no Rio de Janeiro ou em São Paulo.

Não só a alta cúpula do governo militar sabia quem era Fahd Georges como o próprio presidente João Batista Figueiredo foi alertado sobre a atuação do traficante. Na primeira visita de Figueiredo ao Mato Grosso do Sul, em 21 de janeiro de 1981, o SNI preparou um dossiê que cita Fahd como alguém “desaconselhável” para o presidente se aproximar. Na época, a visita de Figueiredo serviria também para abafar as críticas da oposição no estado, que condenava a proximidade do governador Pedrossian com o traficante.
“O relacionamento de amizade de Pedrossian com Fahd Jamil, o qual é conhecido como um dos maiores contrabandistas da área, explorador de cassino e do chamado jogo do bicho, é um aspecto altamente negativo”, diz trecho do documento. “Este relacionamento além de estar desgastando o PDS tem refletido também negativamente na área federal. Já por algumas vezes servidores do SNI foram indagados ‘se o Serviço Nacional de Informações não vê isso’”, conclui.

Não só a alta cúpula do governo militar sabia quem era Fahd Georges como o próprio presidente Figueiredo foi alertado sobre a atuação do traficante.

O presidente Figueiredo foi formalmente informado sobre o envolvimento entre políticos e traficantes no estado em sua visita ao Mato Grosso do Sul, em 1981.

O presidente Figueiredo foi formalmente informado sobre o envolvimento entre políticos e traficantes no estado em sua visita ao Mato Grosso do Sul, em 1981.

O prestígio de Fahd era tamanho que, ao ser preso pela primeira vez em 8 de julho de 1980, foi visitado pelo então senador José Benedito Canellas, outro político do PDS, e por Pedrossian. No mesmo documento de instruções ao presidente sobre a política no Mato Grosso do Sul, o SNI cita que havia uma espécie de “acordo” entre Canellas, Pedrossian e o Rei da Fronteira porque o traficante teria financiado a campanha eleitoral dos dois políticos – Canellas foi o primeiro senador eleito pelo Mato Grosso do Sul depois da divisão do estado, em 1977.

O governo militar sabia que o sucesso obtido pelos traficantes era resultado da negligência ou da participação direta de membros da Polícia Militar e da Polícia Civil do estado. Dezenas de agentes das duas polícias no Mato Grosso do Sul chegaram a ser investigados. Em um dos relatórios, os agentes do governo federal dizem que o grupo de Gandi e Fahd Jamil Georges contava com a ajuda de pelo menos três delegados.

O “Rei da Fronteira” era tão bem relacionado que ao ser preso pela primeira vez foi visitado na cadeia pelo então governador do Mato Grosso do Sul e por um senador. Ele também foi apontado como motivo para uma suposta exoneração de Pedrossian.

“Para que o esquema possa funcionar foi montado um processo de corrupção de autoridades e funcionários dos mais variados níveis”, diz o relatório. “Todos os fatos são do conhecimento de autoridades e órgãos do governo estadual que, entretanto, não atuam devido às injunções políticas que giram em torno da questão, ou até mesmo de seu envolvimento direto no acobertamento de tais ilícitos”, diz outro trecho.

Das poucas vezes em que a Polícia Federal conseguiu interceptar a ação dos criminosos, um verdadeiro arsenal foi apreendido. Foi o que ocorreu em 21 de setembro de 1988 na Fazenda Córrego da Onça, no município de Pedro Gomes, interior do Mato Grosso do Sul, de propriedade da empresa Eximporã Exportadora Ponta Porã S/A, da família Jamil Georges.

Ninguém no governo tinha desculpa para dizer que não sabia o que ocorria na fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai. Todos os dossiês foram encaminhados ao presidente, aos militares, à Polícia Federal e às autoridades do estado.

Na ocasião, a Polícia Federal encontrou oito pistolas 9 milímetros, 10 metralhadoras de mão, 30 carabinas calibre 38 e oito fuzis 7,62 milímetros, além de outras armas menores e “farta e variada munição”. Segundo apontamentos do SNI, o armamento seguiria para um garimpo no município de Itiquira, no interior do Mato Grosso.

Procurado pelo Intercept, o ex-deputado Gandi Jamil Georges não respondeu sobre a citação ao seu nome. Luiz Duim Neto e Fahd Georges não foram localizados. Fahd vive até hoje em Ponta Porã. Ele foi condenado a 20 anos de prisão por tráfico no início de 2005 pelo juiz federal Odilon Oliveira e ficou foragido até ser absolvido pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região em 2009.

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul informou, por meio de sua assessoria, que realiza “levantamentos manuais” para identificar os policiais citados nos relatórios. A assessoria também informou que tentaria encontrar processos administrativos abertos na época contra os policiais, mas nenhuma informação foi enviada até o fechamento desta reportagem.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos