Audiência na ALMS / Imagem: ALMS

Produtores rurais de Mato Grosso do Sul, emitiram nota de repúdio ao aumento de até 40% no Fundersul. O aumento foi previsto em projeto de lei enviado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) à ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul). Eles se mobilizam para ato na Assembleia próxima quarta-feira (13) e adiantam que o aumento de imposto terá impacto sobre toda a cadeia produtiva.

Em nota, sindicatos rurais de seis municípios informaram querer evitar que o custo proposto pelo Governo seja repassado à população. De acordo com eles, o impacto não será restrito aos produtos agropecuários, mas acabará atingindo o comércio de modo geral.

Matéria continua após a publicidade

Além da nota pública, produtores da cadeia leiteira reuniram-se na ALMS na tarde desta segunda-feira (11), para audiência pública sobre os desafios da atividade no Estado. “Somos totalmente contra qualquer ação que aumente a carga tributária dos produtores”, pontuou Ronan Salgueiro, conselheiro da Abraleite e presidente do Sindicato Rural de Campo Grande, presente no evento.

O temor é que os produtos deixem de ser competitivos, principalmente na pecuária para exportação. De acordo com ele, na pecuária do leite, os produtores já estão no gargalo com fazendas leiteiras há anos.

“É uma atividade em que se conta em centavos. Então qualquer aumento, pequeno ou grande, principalmente como é o Fundersul, impacta na produção leiteira”, afirmou. “Já estamos no limite. Qualquer coisa a mais vai prejudicar e muito a atividade do agronegócio”, completou.

Matéria continua após a publicidade

O presidente reclamou ainda da falta de fiscalização e transparência na destinação dos recursos arrecadados pelo Governo do Estado. Segundo ele, deve haver maior clareza ‘para que a comunidade saiba onde está sendo investido, quanto está sendo investido, como e quanto vai trazer realmente benefício para o produtor’.

Em relação à proposta do Legislativo, Ronan disse que a categoria irá se manifestar. “Nós vamos buscar e brigar para que isso não aconteça”, afirmou. Ele também criticou a medida, que vai na contramão da desoneração da cadeia que vem sendo proposta pelo presidente Jair Bolsonaro.

Afeta os pequenos
“É muito difícil pra nós produtores pequenos, porque o imposto é muito alto e preço do leite muito baixo”, afirmou Mário Rosa. Segundo ele, no momento em que os produtores atravessam uma seca, a situação fica ainda mais complexa e são altos os gastos com ração, silagem e energia elétrica.

Diferente da pecuária, a cadeia leiteira está associada ao pequeno produtor. “Nos assentamentos são pequenos produtores, que produzem 50 litros, 100, 30 litros”, explicou. “Tem uns que são melhores de situação financeira e produzem mais, mas a maior parte é fraco”, lamentou. Segundo ele, caso se concretize o aumento no Fundersul, o impacto do imposto terá que ser repassado à população. “Senão as pessoas (produtores) vão desistir”, adiantou.

Repúdio

Sindicatos rurais de Bonito, Guia Lopes da Laguna, Jardim, Nioaque, Miranda e Bodoquena emitiram por meio da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) contra a proposta de Reinaldo. Eles prometem mobilização na próxima quarta-feira (13) na ALMS.

Confira a íntegra do texto divulgado:

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos