Corumbá nos doutos do século XX. / Imagem: Almanaque Mato Grosso

Nesta semana, Corumbá completará 152 do evento histórico da Retomada.

A Retomada ocorreu em 13 de junho de 1867, marcando o processo de recuperação da área ocupada pelas tropas militares paraguaias após a invasão inimiga em 1864.

Matéria continua após a publicidade

Por ocasião da Guerra do Paraguai, em janeiro de 1865, Corumbá e o forte de Coimbra foram militarmente tomados por tropas paraguaias.

Muitas vidas foram ceifadas, além do que, ocorreu fuga em massa da cidade e região.

Em 1867, o presidente da província de Mato Grosso, Couto Magalhães, pretendeu a Retomada de Corumbá e iniciou os preparativos militares elaborando a estratégia das operações, que ficou sob o comando do tenente coronel Antônio Maria Coelho.

Matéria continua após a publicidade

No dia 15 de maio de 1867 teve início a ação militar para a Retomada de Corumbá com a partida das tropas do Porto de Cuiabá.

Desembarcada a força, a mesma acampa no dia 12 de junho, às 6 horas da tarde.

A 13 de junho, pela madrugada, a tropa toma rumo norte, caminhando pelas margens do Rio Paraguai.

Depois de 25 quilômetros de penosa marcha, param os soldados já perto da vila de Corumbá, para observação e plano tático de seus comandantes.

Às duas horas da tarde, iniciam-se os ataques em vários fronts distintos, que duraram até às 18 horas.

As tropas brasileiras, perderam ao todo 09 homens, dentre os quais, o tenente Manoel de Pinho e o capitão Cunha da Cruz, tendo ainda ficado feridos 27 homens. Foram aprisionados 27 paraguaios, do total de uma tropa de 200 homens, que guarnecia Corumbá.

Com a retomada da vila de Corumbá, além do resgate moral do povo mato-grossense, iniciou-se o processo de expulsão definitiva das tropas paraguaias do solo de Mato Grosso.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos