A Delegacia do Consumidor (Decon) prendeu em flagrante, na manhã desta quinta-feira, um sargento da Marinha que vendia de forma ilegal remédios abortivos. Na casa do terceiro sargento Salles Gutemberguy dos Santos Silva, em Bonsucesso, foram encontradas várias caixas de Sibutramina, um emagrecedor, e Cytotec, que só podem ser usados com recomendação médica, além de uma pistola calibre 380 sem registro. Já o Misoprosol (substância que compõe o Cytotec) é proibido sua comercialização no Brasil.

De acordo com o delegado Mário Andrade, da Decon, Salles era investigado há alguns meses por vender os remédios através do Facebook. Foram cumpridos mandados de buscas e apreensão na casa de Gutemberguy, quando foram encontrados os remédios.

Matéria continua após a publicidade

“A mulher procurava ele e dependendo do tempo de gestação, ele indicava o remédio. A quantidade de pílulas aumentava de acordo com os meses que estava de gestante, ele tinha uma planilha com esses dados”, disse. Além de seu perfil pessoal, ele mantinha uma segunda conta, usada para fazer o comércio dos medicamentos.

O terceiro sargento era lotado no Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), na Penha, mas estava em trânsito para Arraial do Cabo, na Região dos Lagos. Ele vai responder por tráfico de drogas e porte ilegal de arma.

Matéria continua após a publicidade

Procurado, o Facebook informou que “para garantir a segurança da nossa plataforma proíbe que indivíduos, fabricantes e varejistas tentem comprar, vender ou negociar medicamentos na plataforma”.

“O Facebook remove qualquer conteúdo desse tipo assim que identificado, e colabora com autoridades nos termos da legislação. Em linha com a nossa política, removemos os perfis em questão”, completa a empresa no texto. A Marinha do Brasil não se posicionou em relação ao militar preso.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos