A proposta feita pelo Governo Estadual de redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do diesel de 17% para 12% foi bem vista pelos sindicalizados, e os caminhoneiros concordaram em voltar ao trabalho nesta quarta-feira (30), segundo Sinai.

Porém, em Mato Grosso do Sul, o movimento dos caminhoneiros é dividido. Enquanto o sindicato envolve empresas transportadoras e funcionários, também há um movimento de trabalhadores autônomos. Entre os caminhoneiros autônomos, a posição era de desconfiança frente à proposta do Governo de MS e a categoria iria discutir o fim da greve na manhã desta quarta-feira (30), no posto Caravaggio.

Matéria continua após a publicidade

Em todo o Estado, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) contabiliza 24 manifestações e seis pontos de interdições. Já a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) afirma ter 33 pontos de protestos nas estradas de Mato Grosso do Sul.

Na base do diálogo, o grupo convence um ao outro a permanecer na mobilização. Alguns poucos acabam desistindo e pegando a estrada. Quem fica afirma que o movimento tem ganhado força. 

Segundo Ademir Junior, um dos caminhoneiros que estava no pátio do posto Caravagio, a categoria não concorda com o governo, e acrescentou "Somos civilizados e para nós já deu".A declaração de Ademir tem relação com o acordo proposto pelo Governo Federal. 

Matéria continua após a publicidade

Caminhoneiros conseguiram mostrar sua força, mesmo com o desconforto que a paralisação causou com o desabastecimento de produtos em geral, mas principalmente a falta do combustível.

O movimento perdeu força principalmente por conta das liminares de ações judiciais, que garantiam o fim dos bloqueios, e a intervenção feita pela força de segurança junto ao governo na escolta de caminhões, todos esses ingredientes contribuiram para o fim do movimento.

Alguns motoristas, que receberam doações de alimentos e de produtos de higiene em geral, estavam criticando a população, dizendo que não receberam apoio, pois haviam logas filas nos postos para abastecer. Estas reclamações vieram mesmo depois de terem recebido apoio de diversas camadas da sociedade, e de outras entidades que prestaram apoio de forma pública.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos