Há parceria através do Ibama e do PrevFogo também para ajudar . / Imagem: Midiamax

O Governo de Mato Grosso do Sul vai ceder o combustível para abastecer os aviões e helicópteros bolivianos que integram a força-tarefa que combate um grande incêndio na Bolívia, próximo da fronteira com o Brasil, revelou nesta quinta-feira (22) o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

No caso, o governo boliviano alugou um avião Boeing 747 Super Tanque, com capacidade de 75 mil litros, para ajudar nos trabalhos. Corumbá seria um entreposto usado pela aeronave para abastecimento e outras serviços.

Matéria continua após a publicidade

“Hoje de manhã eu tive uma reunião com a área de segurança pública, com o Corpo de Bombeiros. Já foi franqueado o abastecimentos das aeronaves no aeroporto de Corumbá. Há parceria através do Ibama e do PrevFogo também para ajudar por que nós temos um grande incêndio a 150 km da fronteira com Corumbá”, explica Reinaldo.

Hoje, também há dois focos grandes na região de Corumbá e que estão sendo combatido pelo Ibama, completa o governador. “Estão atuando nesses dois focos o nosso Corpo de Bombeiros e o PrevFogo. É uma integração conjunta”.

Matéria continua após a publicidade

A estiagem em toda a região do Pantanal e fronteira com a Bolívia causa preocupação aos governos locais, que contam com aval do Itamaraty para usar o aeroporto corumbaense como ponto de apoio no combate ao incêndio.

“A gente faz uma cedência. Isso é uma questão de urgência e emergência. Você não pode deixar a questão burocrática e o fogo não vai esperar. Se necessário for, a gente pode até editar [um decreto regulando o apoio]. Cabe a nós brasileiros estendermos a mão aos bolivianos”, conclui o governador Reinaldo Azambuja.

Fogo na Bolívia

Cerca de 500 mil hectares já foram atingidos pelo incêndio, que começou no dia 6 deste mês, na região próxima a cidade de Roboré, no sudeste da Bolívia, onde há uma extensa área de parque. Também já existem chamas próximas da fronteira com o Brasil.

A situação já teria sido controlada em 80%, segundo o governo boliviano, que enfrenta críticas da oposição, que usa o incêndio como ponto negativo da gestão – uma eleição se aproxima em outubro no país. Também houve pedido de suspensão de uma greve geral.

Até o início da semana, os helicópteros que trabalham no combate tinham gastado, em 79 descargas, 64,7 mil litros de água vinda de uma lagoa. Ao todo, 400 policiais, bombeiros e homens do exército foram deslocados para o serviço.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos