O suposto uso de pneus de baixa qualidade nas viaturas da Policia Militar de Mato Grosso do Sul preocupa servidores militares estaduais que trabalham com os veículos em situações críticas, como perseguições em alta velocidade ou manobras bruscas. Nesta segunda-feira (1), uma guarnição se acidentou em Campo Grande quando os policiais tentavam alcançar suspeitos de um roubo que fugiram de moto.

A viatura acabou batendo no muro de um cemitério, na avenida Cônsul Assaf Trad, mas ninguém ficou ferido. Os policiais que estavam no carro saíram ilesos e não quiseram comentar o episódio. Aliás, na corporação, ninguém quer se expor, com medo de enfrentar sanções impostas pelo regimento militar.

Matéria continua após a publicidade

No entanto, nas fotos feitas pela reportagem do Jornal Midiamax, foi possível identificar que os pneus são de marcas asiáticas, comumente contrabandeadas do Paraguai e apreendidas nas rodovias de MS.

O veículo envolvido no acidente com os policiais, um SUV da marca Chevrolet, modelo Trailblazer, tinha um pneu dianteiro da marca chinesa Hi Fly, e um traseiro do mesmo lado da marca Aderenza, fabricado pela companhia Qingdao Fullrun Tire Corp Ltd, também chinesa. As duas marcas são até vendidas no Brasil e informam ter certificação, mas são famosas em Mato Grosso do Sul como opções de preços mais baixos no Paraguai.

Matéria continua após a publicidade

O uso de pneus de marcas, especificações e até mesmo desenhos diferentes no mesmo carro, até para uso considerado de baixo risco, não é recomendado. Para os policiais militares, a falta de confiança nos pneus aumenta o risco de serem obrigados a pagar por danos nas viaturas.

“Tem pneu que deve vir de apreensão sendo usado sim, porque chegam até um dentro do outro, como os contrabandistas costumam preparar. Não sei se as marcas são de qualidade, e são colocados nas viaturas sem qualquer preocupação com a formação dos jogos. Separam para garantir que as medidas sejam as mesmas, e pronto, vão montando. Numa situação de frenagem de emergência, ou numa curva rápida, por exemplo, é claro que a gente sente diferença na aderência”, relata um policial.

Marcas de segunda linha

Segundo um empresário que vende pneus em Campo Grande, as marcas chamadas comumente de ‘chinesas’ são, na verdade, fabricadas em vários países, geralmente, vendidas como segunda linha de fabricantes grandes. Muitas, mesmo certificadas, são alvo de reclamação.

“A gente não pode generalizar falando que não prestam. Mas, como vendedor de pneus há mais de 20 anos, posso garantir que não colocaria no meu carro nem para uma viagem longa. Imagina para a polícia correr atrás de bandido. Se estão fazendo isso, é uma economia que coloca em risco os policiais e a população”, pondera.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar de Mato Grosso do Sul questionando sobre o suposto uso de pneus apreendidos nas viaturas utilizadas pelos policiais militares sul-mato-grossenses. Pela assessoria, a instituição se limitou a responder que ‘será instaurado um procedimento apuratório para apurar as causas do acidente’.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos