Onde antes tinha água azul, transparente, o que se vê após chuvas fortes é um turbilhão de lama. Esse é o rio da Prata, em Jardim, a 236 quilômetros de Campo Grande, na região sudoeste de Mato Grosso do Sul. O rio é um dos mais famosos da região de Bonito

Matéria continua após a publicidade

No fim de março, moradores, pesquisadores e profissionais de turismo fizeram um protesto para denunciar as condições dos rios da região.

O empresário Gustavo Rabelo, dono de uma agência de turismo e morador de Bonito há mais de 10 anos, diz que em um intervalo de cinco dias, mais ou menos duas mil pessoas deixaram de fazer os passeios da região, por conta da situação dos rios. Em alguns passeios os turistas são avisados da situação.

Matéria continua após a publicidade

O secretário de turismo de Bonito, Augusto Mariano, diz que de alguns anos para cá tem se verificado que as águas dos rios da região têm turvado mais rapidamente após as chuvas e que têm demorado um pouco mais para que os cursos de água fiquem totalmente limpos.

Vem gente do mundo inteiro para apreciar os rios de águas cristalinas em Bonito e região. Os turistas buscam se sentir em um aquário natural.

Mas o que era lindo, muda quando as águas se afastam das nascentes. Os peixes parecem perdidos diante da terra invadindo o rio da Prata.

O fotógrafo Luciano Candisani vem acompanhando de perto o problema há mais de 15 anos.

Visto do alto, o Prata serpenteia azul no meio da mata, mas no trajeto a cor da água vai mudando. Verde claro, verde mais escuro e barrenta.

Mas o que estaria causando isso? Pesquisadores explicam que parte do problema da turbidez do rio da Prata começa em drenos que foram escavados pelos agricultores, porque toda a área era um banhado, um brejão. Com esse drenos, eles acabaram secando a área para fazer o plantio.

São mais de 40 quilômetros de drenos, atravessam toda a região. E segundo os biólogos, botânicos e engenheiros que fizeram uma perícia no local, essa água ajuda a levar lama para dentro do rio.

Mais de dois mil hectares de brejos do rio da Prata já desapareceram. Viraram plantações de soja e de outros grãos.

O biólogo José Sabino explica a importância dos banhados ou brejões, como também são conhecidos.

“Eles filtram sedimento, eles filtram eventualmente agrotóxicos, eles filtram uma série de pequenas partículas que poderia turvar os rios. Mais do que isso, eles ajudam também no sistema hidrológico ajudando a regular a vazão dos rios”.

Apenas um agricultor tem 46 quilômetros de drenos em sua propriedade. Segundo o Ministério Público, mais da metade sem licença ambiental. Ele foi multado em mais de R$ 10 milhões porque a área é considerada de proteção permanente (APP).

O promotor de Justiça de Bonito, Alexandre Estuqui demonstra preocupação com o a situação. “ Se continuar nesse ritmo dentro de uns cinco anos acredito eu que a gente não tem mais o brejão. Corremos o risco de perder o rio da Prata para o turismo de forma definitiva”.

O advogado Gustavo Beltrão, que representa o agricultor autuado, diz que a multa foi anulada pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) e que a área não é de preservação permanente. “Ela teria que ter uma nascente, ela teria que ter um olho d’agua ainda que intermitente pra que esse local pudesse receber a proteção jurídica de uma área de preservação permanente”, disse.

Mas o promotor pensa diferente. “Pela nossa ação, pela ação do Ministério Público aqui de Bonito, entendemos que por ser formado por várias nascentes aquilo é uma área de APP, área de proteção especial. O que acontece, a partir do momento que você perde esse brejão é que você coloca em risco o rio da Prata”.

A reportagem procurou a secretaria estadual de Meio Ambiente para confirmar a anulação da multa, mas não obteve resposta. O caso ainda está tramitando na Justiça.

O secretário estadual de Meio Ambiente, Jaime Verruck, diz que todo dreno executado tem de ter licenciamento ambiental. “Hoje a medida de fechar os drenos não cria uma solução para a questão da qualidade das águas. Esses drenos, que estão dentro do banhado, eles não foram licenciados e todos esses produtores terão de recuperar através de um programa de recuperação ambiental, eles são obrigados”, comentou.

Para onde se olha tem novas lavouras em Bonito. O caminho para a gruta do Lago Azul passa no meio da soja. Em cinco anos praticamente dobrou a área de plantio, de 29,8 mil hectares para 58,5 mil hectares, segundo a Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul).

E outra grande preocupação é com o relevo. O relevo da região da serra da Bodoquena, onde está localizada Bonito, é de rocha calcária, rica em carbonato de cálcio. Quando chove, a água em contato com o ar fica um pouco mais ácida e ao infiltrar no subsolo corrói a rocha e vai abrindo grutas, cânions e até uma rede de condutos subterrâneos interligada.

Então, o rio que some em uma rocha em uma região, pode ressurgir quilômetros adiante, ou seja, qualquer interferência no solo pode afetar a qualidade dessa água.

Em março, a nascente do rio Formoso expeliu lama do fundo da rocha. Segundo a bióloga, Lívia Cordeiro, especialista em vida nas cavernas, essa terra que brota da nascente pode ter sido trazida pelas chuvas de áreas onde o solo está sendo muito remexido.

“Hoje um dos grandes problemas da questão da qualidade da água é exatamente a não utilização de técnicas de conversão de solo adequadas. Então o governo do estado através da politica pública resolveu, obrigando a todo e qualquer produtor da bacia do rio da Prata e do rio Formoso, a apresentar um projeto de conservação de uso do solo e proteção da água”, explica o secretário estadual de Meio Ambiente.

O decreto com essas determinações só foi apresentado há 17 dias, um dia depois da reportagem pedir uma entrevista com um representante do governo do estado.

Mas quem já plantou só tem de fazer obras de conservação se tiver causado dano ambiental, conforme o decreto.

O produtor e diretor da Famasul, Marcelo Bertoni, falou sobre o assunto. “Você fala que o problema não está no aumento de lavouras, onde está? Eu acho que é uma série de coisas, aumento de fluxo de estradas. Tem muitas estradas abertas em passeios em chácaras de contemplação que toda essa água corre pra dentro do rio”.

Os caminhos de terra estão mais movimentados e não foram adequados para isso e há construções na beira de rios.

Em pouco mais de dez anos, mais de 5 milhões de pessoas visitaram a região. Os dados do Observatório de Turismo de Bonito mostram queda na ocupação de hotéis entre 2015 e 2018. Em 2015, 52% de média de ocupação anual de hotéis e em 2018 média de 47%.

Mas o Observatório diz que essa queda se deve à crise econômica e ao aumento de competitividade entre os destinos turísticos.

E que o primeiro trimestre de 2019 apresentou um aumento em comparação a 2018 e 2017. Em 2019, 57% de média de ocupação, em 2018, 54% e em 2017, 54%.

“Hoje são mais de sete mil famílias envolvidas em todos os setores. São mais de 80 hotéis, 46 atrativos, 40 restaurantes, uma cadeia produtiva bem importante para o município”, explica Guilherme Poli, presidente da Associação dos Atrativos Turísticos de Bonito e Região.

Além do decreto baixado no mês passado, o governo do estado informou também que já destinou R$ 5 milhões para a realização de obras em estradas e fazendas para impedir que as águas da chuva e a terra que vem junto não cheguem aos rios.

O empresário de turismo Eduardo Coelho diz que é preciso a mobilização de todos para assegurar a preservação dos rios da região. “Temos que sentar na mesa e cada um reconhecer que tem de ceder uma coisa e cada um ceder, para preservar esse patrimônio do mundo”, conclui.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos