​Nesta quinta-feira (16), a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul está promovendo uma audiência pública com toda a comunidade universitária para tratar sobre os impactos do bloqueio no orçamento para a Instituição.

Com o contingenciamento de verbas anunciado pelo Governo Federal na última semana, a UFMS perdeu, além dos 30 milhões do MEC, também cerca de 50 milhões que correspondem aos valores de emendas parlamentares que também estão suspensos. O montante de 80 milhões corresponde ao segundo maior corte das instituições brasileiras.

Matéria continua após a publicidade

Conforme a audiência, se não houver uma mudança na postura do Ministério da Educação em relação ao repasse das verbas, a UFMS pode ter suas atividades paralisadas em setembro, uma vez que todo o custeio da universidade será impactado, abrangendo compra de insumos, pagamentos de contas e contratos permanentes, além das atividades de pesquisa e extensão.

Universidades na mira das fake news

Segundo o presidente da Adufms (Associação dos Docentes da UFMS), Marco Aurélio Stefanes, as universidades precisam trabalhar para levar à sociedade civil informações verídicas sobre as atividades desenvolvidas dentro do âmbito acadêmico.

Matéria continua após a publicidade

Conforme o professor, as universidades brasileiras já estão desenvolvendo tecnologias para identificação de programas robóticos de propagação de fake news que, atualmente, vêm realizando ataques às Instituições Públicas de Ensino Superior brasileiro.

Patrimônio

A UFMS é um patrimônio educacional do Estado de Mato Grosso do Sul, presente em 21 municípios, e contribui há 40 anos com o desenvolvimento nacional, regional e local, para o fortalecimento das políticas públicas nos ambientes social, ambiental e econômico, o que deve ser divulgado à população.

São 910 projetos de pesquisa em andamento e 23 mil alunos matriculados em 116 cursos de graduação e 61 de pós-graduação.

Acompanhe a audiência ao vivo.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos