Alguns municípios ainda possuem vacinas remanescentes e devem continuar vacinando. / Imagem: GovMS

A Campanha de Vacinação contra a gripe terminou em todo País na sexta-feira (22.6), mas Mato Grosso do Sul não atingiu a meta preconizada pelo Ministério da Saúde. A cobertura vacinal do Estado, que deveria ter sido de 90%, terminou em 86,72%. A boa notícia é que, apesar da Campanha ter chegado ao fim, alguns municípios ainda possuem vacinas remanescentes e devem continuar vacinando.

Até a segunda-feira (25), foram imunizadas no Estado, 627.092 pessoas, sendo o grupo dos professores (117,81%) o que teve mais adesão, seguido pelos idosos (95,83%), trabalhadores em saúde (92,55%) e puérperas (95,32%). Em quinto lugar na listagem aparecem os indígenas com uma população de 72 mil pessoas, este grupo ficou com uma cobertura vacinal de 84,95%, o que representou a imunização de 61.422 pessoas. O que teve menor adesão foi o das gestantes com 71,95%.

Matéria continua após a publicidade

A orientação da Secretaria de Estado de Saúde (SES)), conforme preconiza o Ministério da Saúde, é que a vacinação continue nos municípios onde ainda há doses remanescentes. Para essas cidades onde a meta foi atingida ou ficou muito próxima de ser alcançada, a indicação é abrir a vacinação para outros dois grupos específicos: crianças de cinco a nove anos e adultos de 50 a 59 anos.

Por duas vezes a Campanha Nacional chegou a ser adiada pelo Governo Federal. Em ambas situações, a baixa adesão da população foi determinante para a prorrogação. Conforme dados do Datasus, até hoje (26.6), mais de 37 milhões de pessoas se vacinaram em todo País, no entanto, o público-alvo era de 43 milhões.

Os grupos prioritários que devem receber a vacina são: crianças de 6 meses a menores de 5 anos; gestantes, puérperas; professores, profissionais da saúde; povos indígenas; indivíduos com 60 anos ou mais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população carcerária e funcionários do sistema prisional; pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independente da idade.

Matéria continua após a publicidade

Gripe

Em Mato Grosso do Sul, em apenas seis meses, 20 pessoas já morreram vítimas da Influenza, é mais do que o dobro registrado nos 12 meses de 2017. A SES está em alerta, reforçando junto à população e aos municípios a necessidade de prevenção e procura rápida por assistência à saúde em casos de sintomas da doença, especialmente das pessoas com fatores de risco, que são portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, obesidade, o que pode agravar a manifestação do vírus.

Conforme a Superintendência de Vigilância em Saúde da SES, não há uma justificativa específica para a ocorrência desse número de óbitos neste ano, já que este fato está diretamente ligado à procura de atendimento oportuno, vacinação e sensibilização por parte da população.

A SES mantém contínua a orientação aos municípios e seus profissionais no que diz respeito à vigilância, prevenção e manejo de casos de Influenza. Além disso, a Secretaria faz a distribuição das doses de vacina e orienta equipes de imunização de todo Estado nas campanhas anuais.

É disponibilizado para os 79 municípios o medicamento Oseltamivir (Tamiflu) para tratamento de casos suspeitos de Influenza, de acordo com critérios pré-estabelecidos pelo Protocolo de Tratamento do Ministério da Saúde. Todos os municípios mantém estoque mínimo a fim de evitar atraso no início do tratamento quando indicado. Informamos que até a presente data não houve falta do medicamento no Estado.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos