Antonio Rufo Sant’anna Vinagre (PR), 39 anos, é acusado de violência doméstica.

O vereador licenciado e atual diretor-presidente da Fundação de Turismo de Corumbá, Antonio Rufo Sant’anna Vinagre (PR), 39 anos, deverá se apresentar em nova audiência na Justiça para uma sessão de mediação.

A ex-mulher do vereador havia retirado as medidas protetivas. Mas, devido aos fatos teve de requere-las novamente à Justiça.

Matéria continua após a publicidade

A mulher relata que estava saindo da academia, na rua 13 de Junho, em Corumbá, quando o ex-marido, conduzindo sua caminhonete S-10, jogou o veículo em sua direção. Ela conseguiu se esquivar indo para a calçada. Por telefone, a vítima pediu ajuda. A pessoa foi levá-la de carro para casa.

À Polícia Civil, ela disse que a caminhonete seguiu seu carro e tentou emparelhar por três vezes. Nesta data, a mulher já havia requerido a suspensão da medida protetiva.

O mesmo Boletim de Ocorrência recebeu complemento informando que Antonio Rufo, qualificado como autor, compareceu à delegacia espontaneamente, em companhia do advogado, para prestar esclarecimentos. A Delegacia da Mulher de Corumbá informou que o caso está sob sigilo.

Matéria continua após a publicidade

A Justiça suspendeu o direito dele visitar os filhos, conforme divulgado no dia 20 de março no Diário Oficial do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). Foi agendada uma audiência e a Justiça informa que o autor pode ser representado exclusivamente pelo advogado diante do contexto envolver “violência doméstica”.

Nesta semana, foi determinado que ele compareça a uma nova audiência de mediação acompanhado de seu advogado. O casal estaria separado há dois meses depois de 13 anos de casamento.

Em contato com este Jornal, o vereador se defendeu:

Todas acusações são inverídicas e serão levadas à tona em breve. Todos as acusações já foram derrubadas por não enquadrar no tipo penal o qual fui acusado.

A Câmara de Vereadores de Corumbá ainda não se manifestou. A administração da Prefeitura alega ter sido surpreendida com as acusações e que que ainda não foi comunicada oficialmente pela Justiça.

Segundo a Primeira-Dama, Amanda Balancieri Iunes, que também é responsável pela pasta de Direitos Humanos e Cidadania, a administração pública aguarda um comunicação oficial da justiça para poder realizar qualquer procedimento diante ao caso:

O Marcelo (Iunes) disse que não irá se manifestar enquanto não há um comunicado oficial ou uma determinação judicial dos fatos relatados pela mídia. É uma situação extremamente desconfortável para nós que buscamos no mês de março todo conscientizar sobre a violência contra a mulher… mas aguardamos a Justiça apurar o que de fato houve.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos