A regulamentação da Lei nº 2.626/2018, que proíbe a cobrança da tarifa básica do consumo de água por parte da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), foi cobrada esta semana na Câmara, pelo vereador Yussef Salla.

Por isso mesmo ele solicitou, por meio de requerimento, informações junto ao Procon de Corumbá, referente ao andamento do processo em tramitação, para que a empresa passe a cobrar aquilo que realmente a população consumir.

Matéria continua após a publicidade

O vereador lembrou que a Lei, de sua autoria, foi promulgada pela Câmara Municipal em 28 de março de 2018, e publicada no Diário Oficial de Corumbá no dia 02 de abril. Para que seja regulamenta e faça cumprir a legislação.

“A nossa luta é pela cobrança justa sobre o fornecimento de água, através da qual, os consumidores pagarão somente pelo consumo real, efetivamente consumido, a ser mensurado e identificado na fatura mensal. É preciso acabar com a cobrança de tarifas, taxas de consumo mínimo”, reiterou.

Yussef lembra que a tarifa básica de consumo é de 10 metros cúbicos, mas que existem muitas famílias corumbaenses que consomem bem menos. “Não é justo cobrar o equivalente a 10, quando o consumo é de 3, 4, 5 metros cúbicos”, reforçou.

Matéria continua após a publicidade

Arborização

Por outro lado, Yussef sugeriu à diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Ana Cláudia Moreira Boabaid, a realização de estudos no sentido de desenvolver um programa de arborização na área urbana, com árvores nativas pantaneiras.

Yussef lembra que a arborização vai influir diretamente na melhoria da qualidade de vida da população e do meio ambiente, além de auxiliar na diminuição da temperatura e preservação da fauna silvestre.

Dê sua opinião, comente esta matéria!

ATENÇÃO: Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook - que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores e as denúncias deverão ser encaminhadas diretamente ao Facebook.

Já leu?

Leia nossos Artigos