Opinião

Super-Assessoria

0 Comentários

Na semana passada foi veiculada em alguns jornais do Estado a “notícia” que o ex-prefeito de Corumbá - Paulo Duarte (PDT) - derrotado nas eleições 2016 pelo candidato tucano Ruiter Cunha de Oliveira (PSDB)- seria agora o “responsável por fazer a articulação e interlocução política da Assembléia Legislativa com sindicatos e instituições da sociedade civil.”

Segundo as informações apresentadas por esses veículos de comunicação, Paulo - que já foi Chefe da Casa Civil e Secretário de Finanças do Governo Zeca do PT, já foi Deputado Estadual por um mandato e meio e já foi Prefeito de Corumbá por um mandato - hoje seria um assessor do Legislativo designado para “aproximar o legislativo dessas entidades”.

Com essas “matérias jornalísticas”, a Assembléia indiretamente assumiu que está distante de vários setores da sociedade - e que entre 966 funcionários competentes dentro dos seus quadros, precisou importar um servidor de carreira do Governo do Estado (Auditor Fiscal da Receita Estadual, com salário bruto de R$ 42.248,58) para fazer esse trabalho.

Para a Assembléia é um bom negócio: não paga um funcionário do seu orçamento (o salário é pago pelo Governo - mas no final das contas dá no mesmo: nossos impostos acabam pagando a conta), e “ganha” alguém com experiência política para resolver aqueles pepinos que nenhum deputado “tem tempo” de resolver.

Para Paulo também é negócio, uma vez que não conseguiu fazer parte do alto escalão do Governo do Estado - após sua derrota em Corumbá: não precisa bater folha de ponto na Receita Estadual e fica livre para fazer a sua própria política e quem sabe um dia retornar ao cenário político estadual, como um dos protagonistas principais. Quem perde é a Receita Estadual - que há muito tempo perdeu um Auditor Fiscal trabalhando efetivamente nas suas funções - mas continua recebendo salário como tal, graças à nossa legislação vigente que permite esse tipo de coisa (optar pela remuneração recebida, quando ocupando funções diferentes da qual foi concursado).

Porém, todo o confete criado em torno de um cargo de assessoria cria uma saia-justa: afinal de contas, qual é o papel dos 966 funcionários da Assembléia Legislativa?

Sabemos que a Assembléia HOJE tem 643 assessores (entre estes, 14 jurídicos, 15 de imprensa e 2 militares), 158 técnicos, 27 auxiliares, 9 chefes de setores e 47 assistentes. São 966 profissionais que trabalham para os Deputados eleitos e estão à disposição de qualquer cidadão comum, inclusive qualquer empresa ou entidade.

A lógica é simples: Se apenas UM homem será responsável por fazer o trabalho de “conversar e aproximar” de sindicatos e todo tipo de entidades - então porque não cortarmos gastos com boa parte desse pessoal de assessoria que vai ficar ocioso na Assembléia com a entrada do “super-assessor”?

Em tempo de crise vamos cortar gastos, não é mesmo? Se tem gente capacitada para fazer esse trabalho, então vamos cortar quem vai ficar de braços cruzados!

Vamos dar exemplo, senhores Deputados!

Fábio Marchi
Um bugre que gosta de escrever.

Comentários

Atenção:

Os comentários desta matéria são gerenciados pelo Facebook, que posta, agrega os comentários e os exibe nesta página. Este site não se responsabiliza, por qualquer comentário indevido, feito à qualquer pessoa ou instituição - sendo cada comentário, de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores.